publicidade
18/09/19
Crescente da torcida do Sport de um ano para o outro chamou atenção do historiador. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Crescente da torcida do Sport de um ano para o outro chamou atenção do historiador. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Especialista aponta variáveis de pesquisa sobre torcidas

18 / set
Publicado por Davi Saboya em Náutico às 8:46

Apesar de não mostrar uma mentira, existem muitas variáveis na pesquisa por amostragem e o resultado não pode ser lido de maneira fria. É o que alerta o historiador e cientista político pernambucano Tiago Maranhão. Segundo o pesquisador, a metodologia adotada pelo instituto Datafolha levanta uma noção dos números, porém, não reflete precisamente a realidade, sem uma abrangência maior tanto para o cenário nacional quanto para regional e local.

“O que me leva a pensar que é controversa é que é preciso saber qual o enfoque detalhado da pesquisa, onde foram entrevistadas as pessoas. Como também contam as variáveis imensuráveis do momento do clube, pois impactam o torcedor”, afirmou.

Entre as justificativas do historiador está um aumento de torcedores que responderam que preferem o Sport quando comparado com o mesmo levantamento de 2018. “Ano passado o clube não apareceu com 1% e ficou na faixa de outros. Será que houve um enfoque menor para Pernambuco? Como de um ano para o outro esse número aumentou?”, questionou.

LEIA MAIS

> Sport e Santa Cruz no Top 20 das maiores torcidas do Brasil

> “Clube que amo e me sinto em casa”, afirma Pipico sobre Santa Cruz

> Vice-presidente do Santa Cruz tem encontro com oposição em reunião

> Lateral alerta Sport para jogo diante do América-MG

> No Sport, Guilherme diz que vive melhor momento da carreira

> Náutico já reverteu 2×1 sofrido fora nesta temporada

> Sem Camutanga, Náutico espera outros três titulares para decisão contra o Juventude

Outro ponto que chamou a atenção de Tiago Maranhão foi a porcentagem de torcedores do Santa Cruz que ganham mais de dez salários mínimos no Brasil. O Tricolor do Arruda atingiu 2%, empatado com Bahia, do Nordeste, assim como Atlético-MG e Santos, Cruzeiro e Botafogo.

“Se for levar em consideração o número frio, tem mais torcedores do Santa Cruz na classe mais alta do que na mais baixa. Isso é problemático, pois não precisa ser nenhum especialista para saber que isso não condiz com a realidade de fato”, pontuou.

Sobre o fato do Náutico não ser citado, o cientista político ressaltou a variável de momento do clube. Os últimos anos de dificuldade administrativa, e até na Série C do Campeonato Brasileiro, podem ter abalado o peso do Timbu em todos os cenários. Fato que ele acredita que deve ser mudado.

“Isso de certa forma afasta o jovem torcedor. É possível que agora, com essa nova gestão (equilibrando o clube financeiramente) e a volta às vitórias e títulos, volte a ter impacto na forma como clube “aparece” nacionalmente”, explicou.


FECHAR