publicidade
27/03/20
Diógenes Braga afirma que revelações da base geraram cerca de R$ 10 milhões ao Náutico. Foto: Fernando Castro/JC
Diógenes Braga afirma que revelações da base geraram cerca de R$ 10 milhões ao Náutico. Foto: Fernando Castro/JC

Vice-presidente do Náutico espera volta do Estadual, mas quer análise do calendário do futebol

27 / mar
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 8:02

Enquanto os clubes do interior se articulam para pedir um arbitral entre os times que disputam o Estadual para votar pelo término dele, os times da capital tem se mostrado mais reticentes quanto a está decisão. O Náutico, através do vice-presidente Diógenes Braga, prefere adotar um discurso mais cauteloso. Apesar de preferir que o Campeonato Pernambucano tenha sim continuidade, o dirigente avalia que isso está atrelado ao tempo que demorará para o futebol retomar as suas atividades normais, diante desta pandemia do coronavírus que assola o mundo inteiro.

LEIA MAIS

>> Inteligência do Náutico usa paralisação para trazer novidades ao time e reforço no perfil de novos contratados

>> Memória: relembre Náutico 3×0 São Paulo na voz de Roberto Queiroz

>> Ex-presidente do Náutico diz que “a pandemia não é motivo para dizer que o clube vai fechar”

>> Náutico e outros 19 clubes da Série B dão férias aos jogadores e funcionários por conta do coronavírus

>> Diretor do Náutico comenta sobre paralisação de várias atividades no clube

“Se a gente tiver data e não se estender tanto, eu acho que é importante sim ter. Acho que fica uma lacuna no calendário quando não termina um campeonato. Mas vai depender muito de quando o futebol vai voltar, se ficar muito para frente e estrangular a ponto da gente não só entrar em dezembro, mas de repente entrar em 2021 jogando, eu acho que a gente precisa repensar isso. Eu não sou uma pessoa de opinião fixa em relação as coisas, eu procuro ter bom senso nas avaliações”, avaliou Diógenes Braga.

Uma das preocupações do vice-presidente do Alvirrubro se dá pelo quanto será preciso esticar o calendário 2020. Na visão dele, o maior complicador dessa questão é a atual parada durar mais tempo e os campeonatos deste ano serem encerrados somente no ano que vem. Assim, dificulta o planejamento com relação a próxima temporada, que também precisará ser achatada até retornar a uma regularidade.

“Eu gostaria de terminar as competições que a gente estava disputando, agora vai depender muito do cenário, se a gente consegue voltar em abril ou em maio, aperta um pouco mais, de repente estica até dezembro, tudo bem. O problema é se a gente tiver que esticar mais do que isso, e aí entre no calendário de 2021, e isso faça com que termine complicando também o calendário do próximo ano. Nessa situação, acho que a gente precisa repensar. É difícil, acho que não dá para simplesmente dizer que é a favor ou contra, vai depender de quando a gente consegue voltar”, pontuou.


FECHAR