publicidade
25/08/20
Treinador deixou o comando do Náutico no dia 12 deste mês e rescindiu contrato na última sexta-feira (21) através da Justiça. Foto: Léo Lemos/Náutico
Treinador deixou o comando do Náutico no dia 12 deste mês e rescindiu contrato na última sexta-feira (21) através da Justiça. Foto: Léo Lemos/Náutico

“Dal Pozzo foi um pai para mim”, diz atacante do Náutico ao analisar temporada difícil

25 / ago
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 17:21

O técnico Gilmar Dal Pozzo foi afastado do comando técnico do Náutico no dia 12 deste mês e conseguiu a rescisão contratual através da Justiça na última sexta-feira (21). Mesmo com a saída turbulenta, em que a relação com a diretoria alvirrubra foi arranhada, a imagem dele com o elenco se manteve intacta, sendo considerado até como um pai por conta do apoio e a gestão de elenco que ele mantinha, em meio a uma temporada conturbada em campo para o Timbu.

“O Dal Pozzo foi um pai para mim. Me ajudou muito. Quando eu cheguei havia uma expectativa muito grande em cima de mim e no momento que eu mais precisei ele foi como um pai e estendeu a mão para mim”, afirmou o atacante Erick.

LEIA MAIS

>> Executivo de futebol do Náutico destaca evolução da equipe com Kleina

>> Náutico deve mudar pouco contra Guarani e Jorge Henrique pode ter nova função

>> Wilian Simões faz autocrítica da defesa do Náutico e quer time minimizando falhas

>> Jefferson recebe alta do hospital, mas deve desfalcar Náutico na próxima rodada da Série B

O ponta-direita, inclusive, é um dos jogadores que chegou com o status de grande contratação do Náutico para a temporada, muito pelo potencial que apresentou em 2017, quando foi revelado pelo Alvirrubro. Depois de rodar pelo futebol português e pelo Vitória, ele foi uma das unanimidades entre a torcida mas, até agora, não conseguiu corresponder a expectativa criada. Com Dal Pozzo, enquanto recebia diversas críticas, teve apoio e recebeu confiança. Neste começo de trabalho de Gilson Kleina, também vem recebendo tranquilidade para desempenhar seu futebol e evoluir.

“Agora chegou o professor Gilson (Kleina) e sei que estou evoluindo a cada dia no sistema. Tenho mais liberdade para atacar e acho que a cada dia estou evoluindo. Espero voltar a ser aquele Erick de 2017 em breve”, acrescentou o atacante. Em 2020, Erick disputou 23 partidas com a camisa alvirrubra e marcou apenas dois gols. Ele renovou o empréstimo com o Náutico no começo de julho e fica no Recife até junho de 2021.

Saudades da torcida

Um ponto que tem sido, praticamente, uma unanimidade entre os jogadores de futebol durante este período da pandemia, é a falta que os torcedores fazem nas arquibancadas, principalmente quando a seu favor. Na casa do adversário, é algo positivo. Nos seus domínios, o inverso. Erick pontuou as diferenças que sente em cada uma dessas situações, e destacou que sente falta do apoio nos Aflitos.

“Faz diferença, sim. Quando jogamos fora, não ter a torcida adversária gritando faz com que possamos nos comunicar mais, entramos mais concentrados no jogo. Em casa, nossa torcida faz muita falta, pois estão sempre nos empurrando. Todo o time que vem jogar aqui nos Aflitos sabe disso e nos faz muita falta”, encerrou.


FECHAR