publicidade
17/03/16
foto-235
foto-235

Fique atento aos sintomas de intolerância a glúten ou lactose nas crianças

17 / mar
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 17/03/2016 às 9:00

barrinhaCriancaSaudavel-v2

Imagem de pães (Foto: Free Images)
Sintomas de intolerância a glúten – proteína presente no trigo, centeio e cevada – e a lactose podem aparecer desde cedo, na infância. Sintomas só desaparecem se substâncias forem cortadas da dieta (Foto: Free Images)

Assim como os pais têm que ficar atentos aos alimentos que não podem faltar no cardápio dos filhos, é preciso também prestar bastante atenção em nutrientes que podem fazer mal ao organismo das crianças. Algumas vezes, certas características podem indicar doenças, como intolerância a glúten – proteína presente no trigo, centeio e na cevada – ou à lactose, tipo de açúcar encontrado no leite e alguns derivados.

Leia também:
» Longe da anemia: Saiba como evitar a deficiência de ferro nas crianças
» Adotar hábitos saudáveis na infância pode evitar doenças na fase adulta
» Confira dicas para deixar a lancheira das crianças nutritiva
» Especialistas dão dicas de como montar o cardápio na dose certa para as crianças
» Comer bem é essencial para o desenvolvimento saudável das crianças

Segundo a pediatra Neise Montenegro, enquanto a dificuldade que o corpo tem de digerir a lactose pode ter caráter definitivo ou temporário, a intolerância a glúten – também chamada de doença celíaca – geralmente tem caráter hereditário e uma vez desenvolvida, não tem cura. As duas patologias podem aparecer tanto na infância como na fase adulta. “A intolerância a glúten pode se manifestar de várias formas, desde os sinais mais comuns, como as dores abdominais e diarreias, como sintomas mais gritantes. Algumas crianças deixam de crescer e outras não desenvolvem o peso, por exemplo”, explica. Qualquer alimento que contenha a substância – como pão, massas em geral, biscoitos, bolos e salgadinhos – deve ser cortado da dieta. “É uma doença que não tem cura, mas tem controle. A partir do momento que se tira o glúten da dieta, os sintomas desaparecem progressivamente até não haver nenhum quadro clínico”, ressalta a médica.

Imagem de copo de leite (Foto: Free Images)
Diarreia, vômito, dores abdominais e inchaço estão entre principais sintomas de intolerância a lactose (Foto: Free Images)

Já a intolerância à lactose é, na verdade, a incapacidade que o organismo tem de digerir a substância, um tipo de açúcar encontrado no leite e alguns outros produtos lácteos. Os sintomas são parecidos com os da intolerância a glúten. Diarreia, vômito, dores abdominais, inchaço e náusea estão entre as principais características. “A intolerância à lactose pode ser temporária, quando, por exemplo, uma diarreia causada por certo vírus lesa a primeira camada do intestino do paciente, onde a lactose é absorvida, fazendo com que a pessoa tenha dificuldade de digerir a substância até que aquela mucosa cicatrize. Nesses casos, a opção é restringir a dieta por algum tempo”, explica a pediatra. Embora raro, algumas pessoas também podem nascer com tolerância à substância.

» Teste seu conhecimento sobre alimentação saudável na infância

A recomendação da pediatra é procurar o especialista assim que os primeiros sintomas forem notados. “É sempre bom que os pais percebam se os sintomas realmente têm relação com ingestão de leite ou glúten e conversem com o pediatra, porque muitas características também aparecem em outras patologias. E como os exames para diagnosticar a intolerância são muitas vezes invasivos para as crianças, tentamos fazer os diagnósticos por exclusão e análise”, ressalta.

CONFIRA:
» Delícias saudáveis para quem convive com doença celíaca e intolerância à lactose

Uma vez diagnosticada a doença, o mais importante é procurar o acompanhamento profissional para que os pais fiquem por dentro sobre as melhores opções no mercado. Hoje em dia, por exemplo, já é fabricado leite sem lactose. “Os pais têm que levar a criança sempre para um especialista, seja o pediatra ou o nutricionista. Excluir tudo da dieta do pequeno pode desequilibrar o organismo dele. O acompanhamento nutricional é essencial para não causar nenhuma deficiência no futuro”, finaliza Neise.


FECHAR