publicidade
03/05/21
Os clubes podem optar por arbitragem de fora, desde que arquem com os custos para trazê-la.  Foto: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Os clubes podem optar por arbitragem de fora, desde que arquem com os custos para trazê-la. Foto: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

VAR: Final do Campeonato Pernambucano terá árbitro de vídeo

03 / maio
Publicado por Carolina Fonsêca em Náutico às 19:43

Os dois jogos da final do Campeonato Pernambucano terão árbitro de vídeo (VAR) remoto. A informação foi confirmada pela Federação Pernambucana de Futebol (FPF), nesta segunda-feira (3). A FPF também informou que estuda a possibilidade de ter o VAR nas semifinais, mas ainda está levantando recursos para que seja possível.

LEIA MAIS 

>> Após derrota do Náutico, Hélio dos Anjos dispara contra arbitragem de Pernambuco: ‘Não tem capacidade’

>> Presidente da ANAF explica decisão de árbitros da FPF não apitarem jogos de Retrô e Sport após o Pernambucano

Apesar da confirmação da Federação, existe ainda uma possibilidade de a final não contar com o árbitro de vídeo. Seria no caso de um dos clubes envolvidos optar por trazer, arcando com todos os custos, arbitragem de fora para os jogos.

Segundo Evandro Carvalho, presidente da FPF, todos os clubes, com exceção do Sport que ainda não se manifestou sobre o assunto, preferem ter o VAR do que arcar com os custos de arbitragem de fora. O valor para ter árbitros Fifa ou de outros Estados gira em torno de R$ 30 mil.

“Nós conseguimos, fechamos patrocínio, para ter o VAR (na final), mas ele não ocorrerá se houver arbitragem de fora. O clube tem que optar entre arbitragem FIFA ou ter o VAR. Já expliquei aos clubes, todos já disseram que preferem árbitro de vídeo remoto. o Sport ainda não se manifestou”, disse Evandro. O presidente acrescentou ainda que, caso o Leão prefira a arbitragem, então na partida em que ele for o mandante, não haverá o árbitro de vídeo.

Evandro Carvalho esclareceu que os clubes – que já se manifestaram – não são contra a presença de árbitros de fora, mas que preferem não ter os custos de importar a arbitragem. “Apenas disseram que não têm interesse de ter esse custo. E o risco de erro é o mesmo. O erro é inerente à arbitragem. Tanto faz ser árbitro Fifa loca, do grupo especial da CBF, como ser do Rio (de Janeiro). O erro é inerente, todo árbitro pode errar”, defendeu.

VEJA MAIS CONTEÚDO SOBRE O NÁUTICO


FECHAR