publicidade
27/09/20
Maidana foi um dos atletas do Sport que melhoraram o desempenho com Jair Ventura. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Maidana foi um dos atletas do Sport que melhoraram o desempenho com Jair Ventura. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

A evolução do Sport com o “Venturismo” de Jair

27 / set
Publicado por Davi Saboya em Notícias às 7:13

Em um mês, o técnico Jair Ventura conseguiu mexer com o futebol e o astral dos jogadores do Sport na disputa da Série A do Campeonato Brasileiro. Tirou o time da zona de rebaixamento e colocou na briga por uma vaga na Libertadores. Depois de passar dois anos ‘sabáticos’ para ficar mais próximo da filha recém-nascida e estudar, ele aceitou o desafio de substituir Daniel Paulista, que não conseguiu começar bem a competição e obteve quatro pontos em 15 disputados. Sob a filosofia ‘Venturista’, o Leão passou a ser mais eficiente. A base da nova metodologia é reativa, mas mostrou que também pode ter controle, força ofensiva e ousadia.

O início da Era Jair Ventura começou com pouco tempo de treino e quatro jogos em cinco fora de casa. E, até o momento, seguiu com mais dois jogos seguidos na Ilha do Retiro, onde o Leão tem 100% de aproveitamento com o treinador. No geral, cinco quesitos podem resumir a mudança de postura e eficiência. Além do aproveitamento que saltou de 26,6% para 61,9%, os rubro-negros dobraram o número de gols marcados (4-8), reduziram os tentos sofridos (7-6), diminuíram a média de posse de bola (51,6%-40%) e também a média de finalizações (11,6-8,28).

LEIA MAIS

> Jonatan Gomez comemora permanência de Barcia no Sport

> Marketing do Sport estuda ações com Thiago Neves para alavancar marca do clube

> Presidente do Sport detalha permanência de Barcia e afirma: “Não queria sair”

> “A princípio não preocupa”, afirma médico do Sport sobre volante Betinho

> Em um mês, Sport tem reação rápida sob comando de Jair Ventura

Apesar de ter menos a bola e ameaçar menos o adversário, o Sport conseguiu ter mais êxito ao balançar as redes. Números que na balança mostram a eficácia do pelotão de frente e a grande evolução da defesa sob o comando de Jair nos 13 pontos conquistados em 21 disputados. Contra o Fluminense e Corinthians, o Leão conseguiu os feitos inéditos de não sofrer gols. Essa melhora defensiva destaca a estabilidade de algumas peças. Uma delas no gol.

Com a insegurança de Mailson, antes escolhido por Daniel Paulista e que cometeu uma falha crucial na estreia com derrota de Jair Ventura ante o Coritiba, Luan Polli retornou ao posto de titular e passou tranquilidade aos rubro-negros, ainda mais depois de grandes defesas contra o Grêmio, Palmeiras, Fluminense e Corinthians. A posição era tão crítica que a direção demitiu o preparador de goleiros Júnior Matos e contratar Jorcey Anísio, que trabalhou com o técnico no Botafogo.

Ainda na ‘cozinha’, o futebol do zagueiro Maidana teve uma drástica mudança ao lado do desempenho regular de Adryelson. Ficaram de lado as falhas decisivas de posicionamento e surgiram grandes performances tanto na defesa quanto no ataque, já que ele se tornou o cobrador oficial de pênalti (três gols em três penalidades) e artilheiro do time na Série A com quatro tentos.

Só que a principal mudança de Jair Ventura não foi na primeira linha da equipe. E, sim, na segunda. O técnico mudou o esquema tático, saiu do 4-2-1-3 e passou para o 4-4-2, com três volantes na proteção da zaga. Mudança que resgatou o futebol de Ronaldo Henrique, herdou a vaga de Willian Farias (acertou com o futebol árabe), Betinho, que passou a ser um dos responsáveis pela saída de bola, e Marcão, nunca utilizado pelo ex-comandante e pouquíssimo no início do ano por Guto Ferreira.

Esse último até ganhou a vaga de Ronaldo e voltou a jogar uma partida completa (Fluminense e Corinthians) com a camisa rubro-negra. Mas que trouxe equilíbrio foi o meia Lucas Mugni. Polivalente e com grande força física, ele saiu do banco e passou a ter função tática fundamental pelo lado esquerdo e por dentro para defender e atacar.

Por mim, o último jogo mostrou qual é o próximo ponto que precisa ser ajustado no Sport: o pelotão de frente. Com o reforço de peso de Thiago Neves, o setor ganhou qualidade para encaixar ao lado de Jonatan Gomez, Barcia, Marquinhos e desabrochar Hernane ou Ronaldo. Ou até mesmo jogar sem centroavante. Claro, nada disso seria possível projetar sem a boa gestão de grupo do técnico, que como o mesmo disse, foi “abraçado” pelo elenco.

NÚMEROS

DANIEL PAULISTA

5 jogos
1 vitória
1 empate
3 derrotas
4 gols marcados
7 gols sofridos
Somou 4 pontos de 15 disputados
Aproveitamento: 26,6%
Média de posse de bola: 51,6%
Média de finalizações: 11,6

Sport 3×2 Ceará (P: 40%, F: 9)
Vasco 2×0 Sport (P: 54%, F: 13)
Atlético-GO 1×1 Sport (P: 69%, F: 15)
Sport 0x1 Santos (P: 41%, F: 11)
Sport 0x1 São Paulo (P: 54%, F: 10)

JAIR VENTURA

7 jogos
4 vitórias
1 empate
2 derrotas
8 gols marcados
6 gols sofridos
Somou 13 pontos de 21 disputados
Aproveitamento: 61,9%
Média de posse de bola: 40%
Média de finalizações: 8,28

Coritiba 1×0 Sport (P: 42%, F: 6)
Grêmio 1×2 Sport (P: 28%, F: 5)
Sport 2×1 Goiás (P: 52%, F: 17)
Fortaleza 1×0 Sport (P: 48%, F: 4)
Palmeiras 2×2 Sport (P: 37, F: 9)
Sport 1×0 Fluminense (P: 26%, F: 8)
Sport 1×0 Corinthians (P: 47%, F: 9)

*P: Posse de bola
*F: Finalizações


FECHAR