publicidade
31/03/20
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

Escuderias da Fórmula 1 não poderão trabalhar neste ano nos carros de 2022

31 / mar
Publicado por Túlio Feitosa em Notícias às 15:39

Por AFP – As escuderias da Fórmula 1 não poderão desenvolver em 2020 os carros que usarão em 2022, ano em que entrará em vigor uma mudança do regulamento técnico, uma medida econômica e de equidade esportiva, anunciou nesta terça-feira (31) a Federação Internacional do Automóvel (FIA).

A decisão chega após o adiamento em um ano da mudança técnica, principalmente centrada na aerodinâmica dos carros, para permitir que as equipes se recuperem da crise provocada pelo coronavírus.

Leia Mais

>> Indústrias da Fórmula 1 fabricam respiradores para o setor hospitalar na luta contra o coronavírus

>> Temporada atual da Fórmula 1 deve acabar somente em janeiro, acredita chefe da Ferrari

>> Pedro Fittipaldi é anunciado como piloto reserva e de testes da Haas na Formula 1

>> Grand Prix virtual é alternativa da Formula 1 para substituir corridas adiadas

Entre outras medidas tomadas pelo Conselho Mundial do Esporte do Automóvel (CMSA), anunciadas em comunicado, o período de fechamento habitual das atividades imposto às dez escuderias em agosto foi adiantado este ano para março-abril e passa de 14 para 21 dias, o que também deverá ser respeitado pelas fabricantes de motores (Mercedes, Ferrari, Renault e Honda).

Esta trégua poderia ser ampliada após conversas com as equipes “caso as preocupações com a saúde pública ou as restrições governamentais continuem além do período inicialmente previsto”, explicou a CMSA, num momento em que os países onde trabalham os principais atores da F1 estão sob medidas de confinamento da população devido à propagação do Covid-19.

Corridas Adiadas

As oito primeiras corridas da temporada de F1 foram canceladas (Austrália e Mônaco) ou adiadas sem data pré-definida (Bahrein, China Vietnã, Holanda, Espanha e Azerbaijão).

A organização da F1 tenta colocar em prática um calendário com 15 a 18 corridas em 2020, contra 22 previstas inicialmente, o que supõe grandes perdas econômicas com ingressos, direitos de transmissão e patrocínio.


FECHAR