publicidade
02/05/19
Técnico perde peças fundamentais para o time, mas ganha quatro nomes. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Técnico perde peças fundamentais para o time, mas ganha quatro nomes. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Santa Cruz vive ‘montanha russa’ de desempenho e corre riscos

02 / maio
Publicado por Diego Borges em Santa Cruz às 8:05

Invenção do século XIX, a montanha russa é uma das principais atrações em parque de diversão do mundo inteiro. A sensação de descidas repentinas após trechos de subidas provocam um ‘frio na barriga’ e despertam adrenalina. Mas no futebol, oscilações bruscas entre altos e baixos de desempenho representam grandes riscos. E no caso do Santa Cruz, podem ser fatais.

Já se vão quatro situações onde o Tricolor vai do auge à derrocada de um jogo para o outro. Em fevereiro, pós eliminar o Náutico na Copa do Brasil, foi goleado pelo Vitória no Pernambucano, competição que acabou eliminado pelo Afogados no mês seguinte, um jogo após o bom desempenho contra o Ceará.

LEIA MAIS

Resgatado, ‘Pipicão’ ganha abrigo e vai estrelar campanha no Santa Cruz

Santa Cruz quer aproveitar jogo no Castelão para se ambientar

Mais recentemente, neste último mês de abril, foi outras duas situações alarmantes. Repetindo o mesmo roteiro, Venceu o ABC com autoridade, mas quase não tocou na bola contra o Fluminense, no Maracanã. E apesar de atropelar os cariocas na volta – mesmo eliminado nos pênaltis -, na partida seguinte teve um primeiro tempo desastroso conta o Treze, pela Série C.

Situação que, em uma eventual classificação para o mata-mata do acesso na Série C, pode custar o objetivo principal da temporada. Por isso, o técnico Leston Júnior se mostra cauteloso. “Nós temos uma leitura muito clara. Nos grandes jogos que fizemos, sempre o jogo seguinte começamos dispersos.”

CORRIGINDO OS ERROS

Apesar da preocupação, o treinador entende que o time não atingirá sempre o seu melhor desempenho em campo. “No futebol, você não faz grandes jogos todos os dias”, disse, antes de traçar o plano de ação que acredita ser o ideal para evitar que os problemas se repitam.

“A gente tem que corrigir as falhas e isso se faz trabalhando e mostrando (aos jogadores). Continuar potencializando o que se tem feito de bom”, destaca Leston, ressaltando a diferença de postura da equipe nas chances criadas contra o Treze nos dois tempos do jogo.

“Depois que tomou o segundo gol, o time até criou duas ou três chances, uma bola trave e uma defesa, só que desorganizado. Criou, dando ao adversário contra-ataques muito claros, onde eles poderiam ter matado o jogo. Diferentemente do segundo tempo, quando produziu, e criou mais equilibrado, com o controle do jogo.”


FECHAR