GRATIDÃO

Mãe de Paulo Gustavo se despediu do filho na hora do falecimento: “Obrigada por me escolher”

Publicado em Famosos 6/05/2021 às 12:12
Mãe de Paulo Gustavo se despediu do filho na hora do falecimento: “Obrigada por me escolher”

Paulo Gustavo e a mãe, Dea Amaral (Foto: Reprodução/Instagram)

Em entrevista ao programa ‘Saia Justa’, a atriz Mônica Martelli detalhou como foram os últimos momentos de Paulo Gustavo. O ator faleceu na última terça-feira, 4, em decorrência das complicações da Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Vídeo: Moradores de Niterói realizam uma salva de palmas para homenagear Paulo GustavoLEIA TAMBÉM:

A morte do humorista foi declarada pela equipe médica às 21h12, no Rio de Janeiro. Segundo Mônica Marteli, a mãe de Paulo Gustavo, Déa Lúcia Amaral, estava presente.

“Dona Deia é uma grande inspiração e grande mulher. Ela tem a mesma energia do Paulo Gustavo. Ela é tão genial que no momento de passagem de Paulo Gustavo, 21h12, ela falava: “Meu filho, meu filho, obrigada, por ter escolhido eu ser sua mãe.”

Nesta quinta-feira, 6, o corpo de Paulo Gustavo foi cremado em uma cerimônia apenas para familiares e amigos próximos. A relação entre o ator e a mãe ia além do ramo familiar, e deu origem a um dos maiores sucessos do artista. A personagem Dona Hermínia, de ‘Minha Mãe é uma Peça’, foi livremente inspirada em Déa Lúcia.

LEIA TAMBÉM: Thales Bretas se pronuncia após morte de Paulo Gustavo e agradece apoio: “Feliz com tanto amor”

Despedida

Paulo Gustavo faleceu após mais de 40 dias internado em estado grave, no Rio de Janeiro. Nas redes sociais, não faltam declarações para o humorista e para a pessoa que ele era. Entre elas, a mensagem emocionante da apresentadora Tatá Werneck.

LEIA TAMBÉM: Ator de ‘As Branquelas’ lamenta morte de Paulo Gustavo

“Aplaudam! Aplaudam. Aplaudam de pé esse grande homem! Gritem bravo! Façam uma homenagem a Paulo Gustavo em suas casas. Aplaudam de pé esse grande artista. (…) Eu jamais poderia imaginar que estaria hoje escrevendo um texto sobre você e sem te ligar pra saber se tá bom”; escreveu Tatá Werneck.

Compartilhe
Comentários