Todo o pique de Ney Matogrosso pra botar o “Bloco na rua”

Todo o pique de Ney Matogrosso pra botar o “Bloco na rua”

Ney Matogrosso no show "Bloco na rua" - Foto: Felipe Souto Maior / Divulgação

Publicado em Shows 1/09/2019 às 3:03

É admirável (e, confesso, até invejável; ou melhor, desejável) a força de Ney Matogrosso. E é inevitável sublinhar que o cantor soma 78 anos, porque o (não mero) detalhe corrobora ainda mais para essa admiração. No “Bloco na rua” que ele apresentou sábado (31), no Teatro Guararapes, soltou uma voz poderosa e requebrou ao longo das quase duas horas de show. Alonga a nota, deita-se na cadeira, agacha e salta.

Assim que começou o show, já na primeira música – uma interpretação “pesada” para “Eu quero botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio) – uma caixa de som na lateral do palco caiu causando barulho e um fumacê, sem que Ney, a passos dela, sequer desviasse uma nota do lugar. Um completo compromisso com o espetáculo (inclua aí o público), demonstrado ali na concentração e numa entrega total.

Show feito de muitas músicas já gravadas e regravadas, há versões em que Ney vai além ou quase empata com as melhores gravações – é assim, por exemplo, com “A Maçã”, de Raul Seixas, e “Como 2 e 2”, música de Caetano Veloso sacralizada por Gal Costa.

Embora explique que o roteiro foi pensando muito antes do governo de agora, e dos movimentos que o mundo têm dado, as músicas falam muito sobre o agora, como a própria “Eu quero botar meu bloco na rua”, além de “Pavão misterioso”, “Tem gente com fome”, “Coração civil” e “Mulher barriguda”, dos Secos & Molhados, com que ele encerra: “Mulher barriguda que vai ter menino/ Qual o destino que ele vai ter?/ Que será ele quando crescer?/ Haverá guerra ainda?/Tomara que não”.

LEIA TAMBÉM: Ney Matogrosso: “Enquanto eu puder, eu faço”

ASSISTA a um trecho de “Jardins da Babilônia”

Veja a galeria:

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com