publicidade
05/06/19
"O grande problema é: será que há outras pessoas expostas a esses alimentos (possivelmente contaminados com o inseto)?", questiona a coordenadora do Serviço de Referência em Doença de Chagas da Fiocruz PE, Virgínia Barros de Lorena (Foto: Cinthya Leite/JC)

‘Todos estão de cabelo em pé’, surpreende-se pesquisadora sobre surto inédito de doença de Chagas

05 / jun
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 05/06/2019 às 11:00

A biomédica Virgínia Barros de Lorena, coordenadora do Serviço de Referência em Doença de Chagas da Fiocruz Pernambuco, relata como tem sido colaborar com a investigação do surto de doença de Chagas sem precedentes no Estado.

Confira a entrevista:

JC – Diante deste surto, qual o papel do Serviço de Referência em Doença de Chagas da Fiocruz Pernambuco?
VIRGINIA BARROS DE LORENA – O trabalho tem sido auxiliar o Lacen-PE, que tem todo o mérito no diagnóstico destes casos. Primeiramente, pensou-se em febre tifoide, depois em leptospirose e em malária, cujo teste rápido deu positivo na maioria das amostras. Só que ele dá reação cruzada com Chagas. E por causa dessa positividade, foi feita análise na lâmina, com uma técnica que pode tanto detectar malária quanto Chagas. Foi assim que acidentalmente se encontrou o Trypanosoma cruzi.

Leia também: 

Chagas: alimento contaminado pode ter relação com surto da doença em Pernambuco

Doença de Chagas: Pernambuco tem 40 cidades com barbeiros infectados

No front do surto de doença de Chagas em PE, pesquisadores fazem caça ao barbeiro

JC – Todas as amostras passam pelo serviço?
VIRGINIA – Estamos recebendo especialmente os testes de pacientes que têm sintomas e continuam com o diagnóstico laboratorial negativo. Além disso, hoje (ontem, dia 4) recebemos amostras de pessoas sem sintomas, mas já apresentaram positividade no diagnóstico laboratorial. São pessoas (do surto) que foram recrutadas ou estão indo voluntariamente ao Hospital Universitário Oswaldo Cruz para ter assistência médica.

JC – Foi surpresa identificar amostras positivas de pacientes assintomáticos?
VIRGINIA – A gente tem feito PCR (técnica capaz de identificar a presença do DNA do agente causador da doença em amostras de sangue) desses pacientes sem sintomas para aumentarmos a chance de diagnóstico precoce, pois eles foram expostos (à microepidemia) e não sabem se estão doentes. Na fase aguda, sintomas podem se manifestar ou não. Então, já imaginávamos que esses casos apareceriam.

JC – Algum detalhe deste surto chama muito a sua atenção?
VIRGINIA – O surto. Apenas ele já é um alerta. Desde as primeiras confirmações, não conseguíamos compreender por que ele havia ocorrido. Na verdade, todos que trabalham com Chagas ainda estão de cabelo em pé.

JC – Acredita na ocorrência de transmissão oral?
VIRGINIA – Não dá para ser uma contaminação vetorial porque nos relatos ninguém diz ter visto o barbeiro. Os pacientes também não têm o chagoma (sinal da fase aguda da doença e que corresponde ao inchaço no local da picada). Entre o universo de 77 pessoas, 27 estarem contaminadas e nenhuma ter visto o barbeiro? Provavelmente foi alimentar. O grande problema é: será que há outras pessoas expostas a esses alimentos (possivelmente contaminados com o inseto)? É preciso considerar todas as hipóteses.


FECHAR