publicidade
20/mar
Clipes de Lady Gaga entraram na
Clipes de Lady Gaga entraram na "censura"

YouTube censura vídeos de artistas com temática LGBT

Publicado por Anneliese Pires em Notas às 16:35

Internautas têm lotado o Twitter com a hashtag #YoutubeIsOverParty (festa de encerramento do YouTube) desde o último domingo (19). A razão para isso é que a plataforma estaria ocultando vídeos com temática LGBT nos resultados de busca no Modo Restrito. Em teste feito pelo site do Estadão, alguns clipes que são ocultados na busca no Modo Restrito são Todo Dia, de Pablo Vittar e Rico Dalasam, e alguns de Lady Gaga, além de vídeos da Banda Uó e episódios da websérie Girls In The House.

O YouTube, que pertence ao Google, admitiu que criou um filtro para esconder conteúdo LGBT em seu site. Segundo a empresa, o chamado modo restrito pode ser usado para filtrar vídeos potencialmente censuráveis. O serviço admitiu que esses vídeos estão sendo ocultados, mas diz que só faz isso para garantir que as pessoas não vejam conteúdo que lida com questões mais sensíveis. “Vídeos LGBT estão disponíveis no modo restrito, mas os vídeos que discutem questões mais sensíveis podem não estar. Lamentamos qualquer confusão que isso tenha causado”, disse a rede social, em nota.

youtube

“Somos muito orgulhosos por representarmos as vozes LGBTQ+ em nossa plataforma — elas são uma parte chave do que o YouTube significa. A intenção do modo restrito é filtrar conteúdo maduro para a pequena parcela de usuários que querem uma experiência mais limitada. Vídeos LGBTQ+ estão disponíveis no modo restrito, mas vídeos que discutem assuntos mais sensíveis podem não estar. Nós nos arrependemos por qualquer confusão que isso causou e estamos de olho nas suas preocupações. Aceitamos o feedback de vocês e a paixão em fazer do YouTube uma comunidade inclusiva, diversa e vibrante.”

Um porta-voz do YouTube mais tarde esclareceu que essas questões mais sensíveis são particularmente vídeos que abordam assuntos como saúde, política e sexualidade. Não são apenas os artistas identificados com a comunidade LGBT que estão sofrendo censura. Até mesmo youtubers que criam conteúdo relacionado ao tema estão sofrendo com a mudança.

A youtuber Rowan Ellis, que produz conteúdo feminista e LGBT, afirmou ao Gizmodo que a decisão é preocupante. “O YouTube agora colocou as nossas demandas como não ‘familiar’”. O brasileiro Frederico Devito também cobrou um posicionamento do serviço.

Veja alguns comentários dos internautas:



PUBLICIDADE
FECHAR