publicidade
24/10/17
Pesquisadores investigam se os sintomas de dengue afetariam diretamente o feto, se a dengue causaria mudanças na placenta ou se o próprio vírus teria um efeito direto no bebê em formação (Foto ilustrativa: Pixabay)
Pesquisadores investigam se os sintomas de dengue afetariam diretamente o feto, se a dengue causaria mudanças na placenta ou se o próprio vírus teria um efeito direto no bebê em formação (Foto ilustrativa: Pixabay)

Dengue grave aumenta em cinco vezes as chances de bebê natimorto, diz estudo

24 / out
Publicado por Cinthya Leite em Aedes aegypti - 24/10/2017 às 19:07

Com informações da Fiocruz Bahia

A zika não é mais a única infecção por arbovirose a ser considerada letal para um bebê em desenvolvimento. Um estudo científico detectou que a dengue também pode representar um risco à vida do feto. Ter dengue durante a gestação quase dobra a probabilidade de um bebê nascer morto ou morrer durante o parto, enquanto a dengue severa aumentaria em cinco vezes as chances de um natimorto (nome dado à morte do feto acima de 500 gramas dentro do útero ou durante o parto). O achado, publicado na edição de setembro do periódico The Lancet, foi obtido a partir da análise dos registros de sistemas de informações brasileiros.

Leia também: 

O olhar cuidadoso para o risco de transmissão da chicungunha durante o parto

Semana de combate ao Aedes alerta sobre combate ao mosquito ainda antes do verão

Em PE, já são quase 90% dos municípios com risco elevado de surto de chicungunha, zika e dengue

Os mecanismos pelos quais a dengue causaria o nascimento de natimortos é desconhecido, mas os pesquisadores apontam três hipóteses para explicar o fenômeno: os sintomas de dengue afetariam diretamente o feto, a dengue causaria mudanças na placenta ou o próprio vírus teria um efeito direto no bebê em formação.

Para chegar aos resultados, os pesquisadores cruzaram os dados de mais de 162 mil natimortos e 1,5 milhão de nascidos vivos. Desses, 275 natimortos e 1.507 nascidos vivos tinham sido expostos à dengue. Esse é o primeiro estudo realizado em larga escala a demonstrar a associação. Apenas um estudo anterior, com uma pequena amostra de um hospital, indicou a relação entre a infecção e natimorto. O artigo, intitulado Symtomatic dengue infection during pregnancy and the risk os stillbirth in Brazil, 2016-12: matched case-control study, contou com a autoria dos pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Saúde (Cidacs/IGM/Fiocruz) Enny Paixão, Mauricio Barreto, Maria Glória Teixeira e Laura Rodrigues, em parceria com pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA), Universidade de São Paulo (USP) e da London School of Hygiene & Tropical Medicine, no Reino Unido.

Dados

O estudo foi realizado com dados obtidos entre dezembro de 2012 e janeiro de 2016 do Sistema de informação de Nascimentos (Sinasc), do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan). A análise indicou que o risco de natimortos, entre todos os nascimentos registrados no período, foi de 11 por 100 nascidos vivos. Quando considerado apenas a amostra das mães infectadas por dengue, a taxa de incidência foi de 15 por 1.000. E analisada a gravidade da doença, a dengue severa aumenta o risco de natimorto em cinco vezes, cerca de três vezes mais que a dengue comum.

Apesar de, desde os anos 1980, o Brasil passar por sistemáticas epidemias de dengue, a doença era considerada letal apenas quando atingia sua forma hemorrágica, que agravava o quadro do infectado podendo levar a morte. No entanto, com a epidemia de anomalias congênitas associadas à zika ocorrida em 2015, a investigação científica se voltou para os efeitos das infecções virais durante a gestação.

Em 2015, cerca de 2.6 milhões de bebês foram considerados natimortos no mundo. A estimativa é que infecções virais, no geral, representam cerca de 14% de todos os óbitos fetais. Algumas infecções possuem forte evidência científica de associação com natimortos: sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus e parvovírus B19.


FECHAR