publicidade
18/05/21
Gilberto Nogueira, mais conhecido como Gil do Vigor, é pernambucano, economista e torcedor do Sport. Foto: Anderson Stevens/Sport
Gilberto Nogueira, mais conhecido como Gil do Vigor, é pernambucano, economista e torcedor do Sport. Foto: Anderson Stevens/Sport

Deliberativo do Sport recebe pedido de exclusão de conselheiro que cometeu homofobia contra Gil do Vigor

18 / maio
Publicado por Lucas Holanda em Notícias às 12:50

O pedido para a exclusão do advogado e conselheiro Flávio Koury, que cometeu homofobia contra o ex-BBB Gilberto Nogueira, o Gil do Vigor, já foi protocolado na Secretaria do Conselho Deliberativo do Sport. Quem confirmou isso foi o presidente do órgão, Pedro Leonardo Lacerda, em contato com a reportagem do Jornal do Commercio. Segundo o mandatário, a petição foi apresentada na última segunda-feira, na secretaria do Conselho, e solicitada pelo deputado estadual e também conselheiro Romero Albuquerque, que foi o responsável por divulgar os áudios homofóbicos de Flávio Koury.

Ainda de acordo com Pedro Leonardo Lacerda, até o momento em que ele conversou com a reportagem, esse era o único pedido de exclusão que havia chegado no Conselho Deliberativo do Sport. Primo de Flávio Koury, Jayme Koury sinalizou que iria pedir a saída de Romero Albuquerque do órgão. Isso, no entanto, não foi feito – pelo menos até a publicação desta matéria.

E quais os próximos passos depois que o pedido de exclusão de Flávio Koury é protocolado no Conselho Deliberativo do Sport? De acordo com Pedro Lacerda, a próxima reunião ordinária do órgão, marcada para o dia 8 de junho, terá a formação da Comissão de Ética, que será composta por cinco conselheiros, sendo três nomeados pela presidência e outros dois pelo plenário.

“A partir daí, quando a Comissão de Ética estiver formada, encaminho a denúncia para a Comissão, que faz uma análise dos requisitos, porque toda petição tem requisitos. Se estiver tudo ok, vão processar a denúncia. Existe um prazo de 15 dias para o denunciado se defender por escrito. Se ele não fizer isso, a Comissão constitui um conselheiro para fazer o papel de defensor dativo, e o prazo que a Comissão tem é de 30 dias para emitir um parecer sobre a defesa, que pode ser prorrogado por mais 30 dias caso seja necessário”, explicou Pedro Lacerda.

“Quando terminar o trabalho da Comissão de Ética, que vai enquadrar a conduta conforme o estatuto e o regimento, eles vão emitir um parecer, que será devolvido para mim, e aí eu convoco uma sessão e coloco em votação o parecer da Comissão de Ética. Aí o plenário vai decidir se aprova ou não o parecer da Comissão”, finalizou.

LEIA MAIS

Sport oficializa contratação do lateral-direito Hayner

Náutico x Sport: correções rumo ao título do Pernambucano

Com provável venda de Adryelson, Sport desiste de emprestar Chico

Ministério Público investiga Sport após comentários homofóbicos de conselheiros sobre Gil do Vigor

POSSÍVEIS PUNIÇÕES

Caso se confirme a infração de ética de acordo com o estatuto do clube, aí o conselho pode sofrer três punições: advertência, suspensão e a cassação do mandato, que faz o individuo não elegível para a função nas duas próximas eleições. Ou seja, ficaria quatro anos sem poder ser conselheiro, segundo explicou Pedro Leonardo Lacerda.

Em um dos trechos do estatuto do Sport, o texto diz que um sócio ou conselheiro pode ser excluído caso cometa falta grave contra os interesses superiores do Rubro-Negro, como:

* Faltar com decoro no recinto do clube ou do estádio;

* Atentar contra a imagem do Sport, ou membros de sua administração, da sua equipe técnica ou dos seus atletas;

* Ser prejudicialmente condenado mais de uma vez, no espaço de cinco anos, por infração praticada na Ilha do Retiro, tipificada como tumulto, porte ou tráfico de drogas proibidas.

Além disso, a exclusão ocorre caso o sócio ou conselheiro seja condenado em ação transitada em julgado, por pena de reclusão por ato desabonador. Para ler mais sobre o estatuto do Sport clique aqui.

ENTENDA O CASO

Na última sexta-feira, o deputado Romero Albuquerque divulgou áudios em que o advogado e conselheiro Flávio Koury comete homofobia. Entre os comentários, Flávio Koury diz que, ao observarem Gil do Vigor dançando o “tchaki tchaki” na Ilha do Retiro, o público acreditaria que o “time só tem bicha”, e que esse tipo de dança não deveria ser feita num estádio, mas sim em bordéis. “1,2 milhão de visualizações. Arretado! 1,2 milhão de pessoas achando que o Sport só tem viado, só tem bicha. Vai vender é camisa. A viadagem todinha vai comprar… Vai ser lindo!”, disse Koury em um dos áudios.

Além da torcida, o Sport e os jogadores saíram em defesa de Gil do Vigor. No mesmo dia em que os áudios foram divulgados, o Rubro-Negro publicou uma nota repudiando os comentários homofóbicos e afirmando que o clube e Conselho Deliberativo iriam investigar o ocorrido e tomar providências. Sobre os atletas, o capitão Patric gravou um vídeo em apoio ao ex-BBB, além do atacante Everaldo ter comemorado o gol contra o Náutico dançando o “tchaki tchaki”, dança marcante de Gil do Vigor, ao lado de outros jogadores.

Além disso, o Leão promoveu outras ações contra a homofobia, usando as cores da bandeira LGBTQIA+ na braçadeira de capitão no clássico contra o Náutico. A outra ação foi acrescentar o “do Vigor” após os nomes dos jogadores nas camisas, além de entrar em campo com uma faixa.

O QUE DIZ A LEI

O Superior Tribunal Federal enquadrou, em junho de 2019, a homofobia e a transfobia no artigo 20 da Lei 7.716/1989, que fala sobre racismo e discriminação. Ou seja, de acordo com a decisão da corte:

* Praticar, incitar ou induzir a discriminação ou preconceito por conta da orientação sexual do individuo poderá ser considerado crime;

* Além da multa, a pena será de um a três anos;

* Se ocorrer grande divulgação da homofobia em veículos de comunicação, vide publicações em redes sociais, a punição será de dois a cinco anos, além do pagamento da multa;

* A aplicação da pena de racismo valerá até o Congresso Nacional aprovar uma lei sobre o assunto.

FLÁVIO KOURY SE PRONUNCIA

Advogado e conselheiro do Sport, Flávio Koury pediu desculpas, no último domingo, ao pernambucano e economista, Gil do Vigor. Na sexta-feira, o Blog de Jamildo divulgou áudios com comentários homófobicos dele direcionados ao ex-participante do Big Brother Brasil 2021. Nos ataques, Koury falou sobre a dança de Gil, que ficou famosa em todo o Brasil como “tchaki, tchaki”, após o reality show, e o ex-BBB reproduziu dentro da Ilha do Retiro.

Quero pedir desculpas a todos que se sentiram atingidos por minhas palavras, utilizadas num ambiente privado e que, retiradas de um contexto onde se discutia futebol, foram indevidamente remetidas à imprensa e às redes sociais por um dos debatedores.

Especialmente, peço desculpas a Gil do Vigor, que, involuntariamente, viu-se envolvido no episódio, o que jamais foi minha intenção ou intuito, estendendo as escusas também aos seus familiares e fãs.

Recife, 16 de maio de 2021.

VEJA MAIS CONTEÚDO SOBRE O SPORT


FECHAR