publicidade
10/04/21
 Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Náutico incomodado com quantidade de gols sofridos, revela auxiliar-técnico

10 / abr
Publicado por Carolina Fonsêca em Náutico às 11:30

O Náutico entrará em campo neste domingo (11) para enfrentar o Retrô, pela 7ª rodada do Campeonato Pernambucano, sem o técnico Hélio dos Anjos. O treinador cumprirá suspensão automática por ter sido expulso na partida contra o Salgueiro, na última quarta-feira (7), pelo Campeonato Pernambucano, que terminou com vitória alvirrubra por 3×2. Quem o substituirá na área técnica será o auxiliar-técnico Guilherme dos Anjos e, pelo visto na entrevista coletiva da última sexta-feira (9), o nível de exigência seguirá alto.

>> Hélio dos Anjos prefere não colocar Náutico como equipe a ser batida no Pernambucano

>> Náutico: artilheiro do Pernambucano, Kieza mantém nível de exigência alto

Questionado sobre os pontos em que o Náutico precisa evoluir, Guilherme dos Anjos revelou que o grupo está incomodado coma quantidade de gols sofridos, mesmo com essa média de gols abaixo de um por jogo. “São quatro gols em cinco jogos, uma média abaixo de um gol por jogo, que a gente gosta de manter essa média, mas ainda assim não é uma média que nos agrada”, disse.

A correção deste aspecto, inclusive, é vista como responsabilidade de todos, do setor defensivo ao ataque. “Não está somente correlacionado ao nosso sistema defensivo, é muito importante salientar. A gente gosta de analisar o lance como um todo, então os gols que nós tomamos nós também damos responsabilidade para a equipe como um todo. Não podemos somente responsabilizar um setor como a maioria das pessoas faz ao analisar”, explicou Guilherme.

Ainda de acordo com a análise do auxiliar-técnico alvirrubro, o raciocínio de que, quando se toma um gol, a culpa é da defesa e, quando se marca um gol, é acerto do ataque, não é o que se tem no Náutico. “Nós não pensamos dessa forma. Atacamos com todos, inclusive com uma exposição muito grande dos zagueiros e defendemos com todos, mais uma vez uma importância muito grande, uma pressão alta, por exemplo, dos nossos atacantes”, explicou.

A evolução, acredita Guilherme, acontece de forma contínua. “Existe um processo de correção com o time jogo a jogo e um processo de correção baseado na forma de jogo que nós temos. Isso tudo a gente segue corrigindo semanalmente, tanto questões pontuais, que estão correndo, como por exemplo a questão da quantidade de gols que estamos tomando”, completou.

 


FECHAR