publicidade
13/01/21
Foto: Caio Falcão/Náutico
Foto: Caio Falcão/Náutico

Apesar de relacionar atletas da base do Náutico, técnico é cauteloso com uso deles na reta final da Série B

13 / jan
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 19:21

O Náutico foi para o jogo contra o América-MG com quatro jogadores recém-subidos da base pelo técnico Hélio dos Anjos: os meias Luís Felipe e Juninho Carpina, além dos atacantes Thassio e Júlio. Devido ao momento com vários desfalques pela covid-19, era necessário ter mais opções no banco. Porém, nenhum foi acionado. O treinador alvirrubro explicou que, por mais que esses atletas tenham qualidade para jogar, a situação complicada do Timbu na Série B requer cautela para se lançar esses garotos, com um trabalho de maior “normalidade” e prazo.

“Não adianta a gente achar, dentro de algumas reclamações como ‘tem que usar a base’. Tem. É a grande sustentação do Náutico. Tem que ser a base. Mas estamos usando dentro das condições que nós temos. Não quero falar nada do meu futuro em relação ao Náutico, porque, no trabalho de base, você não pode ser exigido para utilizá-la dentro das condições que temos desde que chegamos. Em dois meses de clube é muito difícil você criar uma situação para usar um número maior de jogadores. Mas acho que o futuro do Náutico passa, sim, por esse uso, por aprimorá-los”, contou o comandante. 

LEIA MAIS

>> Contra a Ponte Preta, Hélio dos Anjos mira primeira vitória fora de casa no comando do Náutico

>> Café da Manhã: empate do Náutico, saída de Jonatan Gomez e decisão do Santa Cruz

>> A transformação do Náutico na Série B

>> Hélio dos Anjos afirma que jogo contra América mostrou que “Náutico tem um time”

>> Lisca fica na torcida para Náutico se livrar do rebaixamento: “Vai dar certo”

Ou seja, na visão de Hélio dos Anjos, o momento para utilizar melhor a prata da casa deve ser quando a próxima temporada começar, a partir do final de fevereiro, no Campeonato Pernambucano. Apesar disso, se houver a necessidade no decorrer deste fim da Série B para utilizar algum deles, o treinador deve fazer esse uso. Só que terá preferência por quem já possui um pouco mais de bagagem no profissional do Náutico, como o zagueiro Carlão.

“Tenho o Juninho Carpina, que é um meia que faz a função do Jean Carlos e do Ruy. Ele não é um meia que podemos usar nas beiradas de campo. Para isso temos Wanderson, o Júlio, que são jogadores interessantes. O Carlão já foi usado normalmente aqui dentro, não só comigo, mas com outros treinadores também. Aí vamos fazer tudo dentro da normalidade”, acrescentou.

Apesar de preferir não falar sobre permanência para a próxima temporada, Hélio dos Anjos se mostra aberto à possibilidade de seguir no Náutico, caso sejam oferecidas as condições necessárias para manter o trabalho. Assim, ele destacou que enxerga um bom trabalho sendo feito com os jogadores das categorias de base e que, num cenário de renovação, dará mais oportunidades às crias alvirrubras.

“Já é feito um trabalho legal feito na base, e mais do que nunca estou atento a isso porque, caso eu tenha condições de fazer um trabalho normal no Náutico, iniciando temporada com projeção de ficar até o final dela, é natural e tenho certeza que vou utilizar esses garotos. Mas tudo dentro de um critério muito legal. Não adianta querer achar que quem não vê a hora de usar o jogador da base é quem está lá fora. É quem está aqui dentro, porque somos nós que acompanhamos o dia a dia dos jogadores”, encerrou.


FECHAR