publicidade
28/11/20
Foto: Rafael Melo/Santa Cruz
Foto: Rafael Melo/Santa Cruz

Martelotte descarta mais testes no Santa Cruz e promete força máxima contra o Jacuipense

28 / nov
Publicado por Filipe Farias em Notícias às 8:38

Fim de testes. Ao contrário do que aconteceu nas últimas rodadas, quando o técnico Marcelo Martelotte aproveitou o fato de o Santa Cruz ter garantido a classificação antecipada e a liderança do Grupo A para fazer algumas observações no elenco, optando por variações táticas e de peças, diante do Jacuipense, na segunda-feira, às 20h, no estádio Pituaçu, em Salvador, pela 17ª rodada da Série C, o comandante coral vai mandar a campo uma formação mais próxima da que irá utilizar no quadrangular final.

Ou seja, contra os baianos, o Tricolor do Arruda vai com força máxima. “Com relação ao modelo de jogo, o que eu tinha para testar já foi testado. Fizemos algumas variações táticas durante a competição, mudamos bastante o time e utilizamos praticamente todos os jogadores do elenco (o único que ainda não atuou na Terceirona foi o prata da casa Felipe Simplício). Agora a ideia é voltar a jogar com o que tem de ser. Uma equipe com o modelo de jogo mais próximo do que devemos utilizar na próxima fase”, garantiu Martelotte.

Apesar de o Santa Cruz ter cinco atletas pendurados com dois cartões amarelos (André, Bileu, Lourenço, Pipico e Augusto Potiguar), o treinador coral garantiu que não vai orientar seus comandados a forçarem o terceiro cartão para não atuarem na última rodada da primeira fase e entrarem zerados no quadrangular final. “Não existe isso. Não é o nosso objetivo, até porque o regulamento do campeonato diz que os cartões serão zerados após a primeira fase. Então, não tem necessidade de ninguém tomar cartão nesse jogo. Caso tenha algum jogador pendurado na última rodada, aí vamos avaliar individualmente e resolver se colocaremos esses atletas em campo ou não. Até porque, após o último jogo da primeira fase, eles terão os cartões zerados”, explicou.

RETORNO

Com relação ao retorno de Didira, Marcelo Martelotte deixou a entender que deve utilizar o meio-campista como titular, mesmo ele tendo ficado dez dias inativo por conta da covid-19. “A situação do Didira é diferente de Chiquinho. Didira ficou de fora apenas um jogo, voltou a treinar na quinta-feira visando um jogo na segunda-feira. Já Chiquinho voltou a treinar numa quinta para o jogo no sábado (iniciou no banco). Didira terá dois treinos a mais para fazer a partida, então, isso nos dará um tempo maior para definir sobre como utilizaremos Didira na partida (se de titular ou iniciando como opção entre os reservas)”, contou o técnico coral.


FECHAR