publicidade
27/11/20
Antônio Júnior retirou sua candidatura à presidência do Sport. Foto: Reprodução.
Antônio Júnior retirou sua candidatura à presidência do Sport. Foto: Reprodução.

Antônio Júnior retira candidatura à presidência do Sport

27 / nov
Publicado por Lucas Holanda em Notícias às 10:48

Faltando menos de um mês para as eleições, os bastidores do Sport seguem a todo vapor. Na última segunda-feira, o administrador e secretário de trabalho, qualificação e empreendedorismo da prefeitura do Recife, Antônio Júnior, anunciou que seria candidato à presidência do clube, tendo já definido Ricardo Sá Leitão – vice-presidente do Conselho Deliberativo no momento – para presidir o Conselho caso a chapa fosse eleita. No entanto, a dupla desistiu de concorrer ao pleito. Segundo Antônio Júnior, o motivo da desistência foi por conta de ataques que ele e o grupo sofreram.

“Retirei. Minha candidatura e a de Ricardo (Sá Leitão) legitimaria nesse momento um processo que começou com baixaria, podridão, com feitura de sócios, que não sócios, que são sócios mas que estão atrasado e pagando essas coisas, além de fake news na internet. Tenho dignidade e não vou expor a minha família e nem a de Ricardo a isso. Então a gente participar de um processo que ainda não começou a campanha e nem a eleição, mas as baixarias já começaram, a gente ama o Sport mas não para participar disso”, disse Antônio Júnior em contato com a reportagem do Jornal do Commercio.

“A campanha nem começou e já começaram a agredir a gente, criando fake news e levantando falso contra a gente nas redes sociais. Sou um homem honrado, de vida pública honrada e empresarial honrada, então não vou me passar a isso. Como diz Ricardo: ‘A gente entrar nesse processo é legitimar um processo sujo e podre’. Ontem (quinta-feira) eu recebi muitos apoios. Meu nome e o de Ricardo cresceram de uma forma imensa, talvez por isso tenha assustado eles”, completou.

Na última quarta-feira, Antônio Júnior conversou com o grupo de Milton Bivar, onde pessoas como Fred Domingos, Wanderson Lacerda, Carlos Frederico, Severino Otávio (Branquinho) e Bruno Reis estiveram nessa reunião. De acordo com o ex-candidato à presidência do Sport, foi uma conversa satisfatória, tendo como base o discurso de união. Além disso, afirmou que já vinha conversando com outros candidatos ao pleito: Luiz Carlos Belém e Delmiro Gouveia.

“Sim (a reunião com o grupo de Milton foi tranquila), nós estávamos caminhando para construir em conjunto. O próprio Belém já vinha conversando comigo, o próprio Delmiro também, Marcos Cabral também é um grande rubro-negro que estávamos conversando… Como eu disse desde o começo, eu queria somar, queria unir. O Sport precisa de união, de todo mundo que esteja interessado em ajudar efetivamente o clube. Mas quando perceberam isso, começaram a tentar manchar minha imagem e de outras pessoas”, explicou Antônio Júnior, que completa detalhando que recebeu outros apoios.

“Ontem (quinta-feira) conversamos com outros grupos que espontaneamente vieram aderir a campanha da gente. E não posso botar essas pessoas de bem nesse processo de xingamento, de baixaria e de falta de decência. Se eles querem o Sport a todo custo, fiquem a vontade. Não vai ser eu e nem e nem Ricardo que vamos impedir”, completou.

LEIA MAIS

Número de casos de covid-19 aumenta no Sport

Thiago Neves e Hernane Brocador não viajam para embate entre Santos e Sport

Além de Luiz Carlos Belém e Delmiro Gouveia, candidatos à presidência do Sport, o pleito tem mais dois nomes encabeçando as chapas: Eduardo Carvalho e Nelo Campo. Questionado se houve uma tentativa de conversa com Nelo, Antônio Júnior destacou que não teve nada. “Não. Até porque eu julgava que tinha amigos do outro lado, ou pelo menos pensava que tinha. Podemos ser adversários mas não inimigos. Nunca tive comportamento de inimigo com ninguém, mas o que fizeram comigo foi comportamento de inimigo”, explicou Antônio Júnior, que completa afirmando que não vai apoiar nenhuma chapa até o momento. “Não, estou fora. Nesse momento estou fora. Não, Ricardo nesse momento está fora também”, finalizou.

Apoiador da candidatura de Antônio Júnior, o ex-presidente Jarbas Guimarães afirmou que, no momento, não vai apoiar nenhum dos candidatos definidos até o momento, podendo mudar de postura caso o grupo de Milton Bivar lance alguém para concorrer ao pleito do dia 18 de dezembro. Em contato com a reportagem do JC na semana passada, Carlos Frederico, presidente em exercício do Rubro-Negro, afirmou que a situação não vai lançar nenhum candidato.

“Fizeram várias fake news e ele (Antônio Júnior) passou mal. Dos que estão aí, eu não apoio ninguém. Vou esperar Milton ter um candidato para ver. Nunca conversei com ele (Delmiro Gouveia), como posso apoiar ele? Repito: dos que estão aí, não apoio ninguém. Quem perdeu com tudo isso foi o Sport Club do Recife. Fizeram horrores, ele passou mal. Os caras que fazem uma campanha suja como essa não são rubro-negros. Rubro-negros não fazem um negócio desse. Ele estava recebendo apoios e a eleição dele estava tranquila, mas aí aconteceu isso. Saúde em primeiro lugar, concorda?”, disse Jarbas Guimaráes ao Jornal do Commercio.

RICARDO SÁ LEITÃO

Por meio de sua conta pessoal no Twitter, Ricardo Sá Leitão se pronunciou. Alegando o mesmo discurso de Antônio Júnior, destacou que o grupo deles estava se retirando do pleito por conta do grande número de ataques. Confira o pronunciamento completo.

Em nome do respeito que tenho pelos torcedores do nosso Sport, que, tão generosamente, esperavam de mim uma posição no processo eleitoral, mesmo eu já havendo declarado meu desinteresse em participar, devo dizer que as razões da minha negativa original se mostraram procedentes. Desde quinta-feira, temendo uma “guerra civil” no Sport, eu e outras lideranças fomos procurados para tecer um grande consenso e estabilizar o ambiente eleitoral, no Sport, sem maiores fraturas e zelando pela preocupação com a preservação do nosso patrimônio.

Apesar de ainda não lançada candidatura, em grande parte por se buscar minorar essa cisão que se avizinha, ontem, fomos surpreendidos com expedientes malignos de divulgação de fake news contra algumas lideranças nossas, decretando o arrebatamento do clube pela má política. O Sport é muito importante, mas todos temos família, carreiras de sucesso e respeitabilidade. Não fui, pessoalmente, vítima de ataque, mas pessoas de minha maior estima o foram, e não queremos legitimar um processo que se inicia torpe dessa forma.
O Sport ENOBRECE, diz nosso hino. Pensar nessa erosão da fraternidade me faz muito mal, e não quero levar recordações tenebrosas associadas ao clube que só me inspira amor e abnegação. Seguirei até o fim do mandato, para assegurar a pacificação e a aprovação do novo Estatuto, mas, hoje, mais do que nunca O que mais anseio é voltar a ser só mais um torcedor – enquanto isso ainda não nos é arrebatado pela máquina de moer gente, alimentada por interesses do grande capital e seus lacaios inescrupulosos. Sigamos, zelosos do patrimônio físico, mas, sobretudo, MORAL do Sport. Obrigado!


FECHAR