publicidade
25/11/20
Maradona foi tão grande fora como dentro das quatro linhas
Maradona foi tão grande fora como dentro das quatro linhas

Alguns até jogaram mais, porém não houve personagem no futebol como Maradona

25 / nov
Publicado por Thiago Wagner em Notícias às 15:08

Indo para o rigor e frieza dos números, nomes como Messi, Zidane, Cristiano Ronaldo ou Zico possivelmente foram maiores do que Maradona como jogadores de futebol. Isso sem falar logicamente em Pelé, esse sim o maior de todos. Só que Diego Armando Maradona não foi apenas um jogador de futebol. Ele foi muito além das quatro linhas, onde por si só já foi um dos maiores, digno de sempre ser lembrado. Ele quis ser alguém muito acima do que um esportista com começo, meio e fim de carreira. Maradona foi herói, vilão, anti-herói, ídolo, deus, lenda e tantas outras alcunhas que queiram dar a ele. A verdade é que não houve personagem como Diego Armando Maradona.

Muito porque Maradona nunca se omitiu. Mesmo com opiniões polêmicas, o ex-camisa 10 da Argentina sempre se posicionou, e sobre qualquer assunto: política, futebol, esportes, economia, sexualidade, drogas e por aí vai. Isso fez dele amado e também odiado por muitos. Dividiu opiniões, mas sempre esteve no foco.

>> Aos 60 anos, morre Diego Armando Maradona

Ele como ninguém sabia construir uma narrativa, ainda mais em época de decisão. Sabia ser craque com as palavras, mas fenomenal com as palavras, desestabilizando qualquer adversário, seja ele quem for.

O seu auge logicamente foi a Copa de 86, no México. Ganhou um Mundial sozinho como tantos outros craques já fizeram, ok. Mas ele não fez apenas isso. Maradona incorporou a coragem e o espírito que o cidadão argentino queria ver naquele momento representado no mundo. O fato de estar com a bola nos pés driblando meio time da Inglaterra era mero detalhe. Com tal postura, Maradona poderia ser cantor, político, tenista, dançarino ou qualquer outra coisa. Ele seria amado pelo povo argentino.

Infelizmente esse brilho teve que ser interrompido nesta quarta-feira (25), com o adeus de Maradona aos 60 anos. Como quem dá um drible, ele surpreendeu todos novamente e nos deixou. Se foi para ser eternizado no nível de símbolos como Juan Domingo Perón, Evita Perón e Carlos Gardel. Assim como nunca se deixará de tocar ao menos uma nota de tango na Argentina, nunca se deixará de enaltecer “La mano de Dios”. Maradona deixa o status de lenda para ser imortal a partir de agora. Que descanse em paz o maior personagem que o futebol teve.


FECHAR