publicidade
17/10/20
Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) falaram sobre a situação do alvirrubro. Foto: Léo Lemos/Náutico
Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) falaram sobre a situação do alvirrubro. Foto: Léo Lemos/Náutico

“Para fazer investimento, era preciso abrir folha”, diz vice-presidente do Náutico

17 / out
Publicado por Marcos Leandro em Náutico às 12:43

Em 16º lugar na Série B do Campeonato Brasileiro com apenas 15 pontos e se preocupando no momento mais em lutar contra a queda para a Terceira Divisão do que por uma vaga no G-4 da competição, o Náutico promoveu uma reformulação no futebol do clube nesta semana. Jogadores deixaram a equipe, como o zagueiro Lombardi e o volante Josa, além do executivo Ítalo Rodrigues.

Diante disso, o presidente Edno Melo e o vice-presidente Diógenes Braga se pronunciaram na manhã deste sábado (17). Eles responderam, de forma virtual, perguntas enviadas pelos repórteres. Ambos reforçaram a ideia de que o time ainda vai brigar pelo acesso para a Série A. O Timbu volta a campo na próxima terça-feira (20) contra o Oeste, em São Paulo. O alvirrubro vem de seis jogos sem vencer e não marca um gol há cinco jogos.

“Esse campeonato ele tem uma particularidade que é a suspensão pela positividade de covid-19. A gente tem sofrido bastante com isso. Até pelo orçamento, temos um elenco enxuto e fora as lesões físicas que sempre acontecem. Tem sido notória nossa necessidade de ter mais peças de reposição, principalmente no segundo tempo.  E aí temos a premissa de sermos muito rigorosos com o orçamento.  Para que a gente pudesse fazer investimento no elenco seria necessário, como se fala no futebol, ‘abrir folha’.  E foram feitas avaliações de custo-benefício, de utilização, de características e foi necessário abrir mão de alguns atletas para que a gente conseguisse fazer os investimentos”, afirmou Diógenes Braga.

LEIA MAIS

> Ítalo Rodrigues confirma seu desligamento do Náutico: “Coração ferido”

> Enquanto reformula elenco com saídas, novas caras chegam para lacunas do Náutico

> “Vamos precisar de mais um ou dois zagueiros”, diz presidente do Náutico

Questionados sobre a manutenção do elenco do ano passado, que conquistou o título da Série C, aliás, uma das principais críticas da torcida e de parte da imprensa, os dirigentes afirmaram que no futebol existem erros e acertos.  “A gente sempre está revendo o planejamento. É claro que vão existir erros, assim como tiveram vários acertos. A mudança foi discutida e partiu de maneira conjunta para que a gente realmente possa sair desse momento que o Náutico está vivendo e reencontrar o caminho das vitórias”, enfatizou Edno Melo.

Sobre as rescisões, eles reforçaram que tudo foi conduzido para não trazer problemas futuros para o clube. “Uma das premissas da gestão é não gerar mais passivos trabalhistas. Muito pelo contrário, é ir diminuindo a cada dia. E a gente teve muito cuidado, muito zelo, para que as demissões fossem feitas de forma segura e que a gente pudesse pagar as rescisões, tanto aos atletas quanto aos funcionários que saíram nesse momento”, afirmou Edno Melo.

ÍTALO

A saída do executivo Ítalo Rodrigues deixou uma vaga no departamento de futebol, que será preenchida. Mas o assunto só será tratado após o jogo contra o Oeste na próxima terça. “A gente vai sim repor a vaga do gerente de futebol, porque é uma vaga fundamental para ser preenchida.  Mas essa busca vai ser iniciada após o jogo contra o Oeste. Nesse momento, nosso foco é de dar a maior condição possível em todos os aspectos para a gente vença o jogo”, disse Diógenes Braga, que ainda complementou sobre o ex-executivo do clube.

“No futebol existem duas coisas que não podem ser misturadas, que é a questão pessoal e a questão profissional. Eu sou muito amigo de Roberto (Fernandes) e eu efetivei a demissão do Roberto. Márcio (Goiano) foi outro treinador que a gente fez uma relação de amizade forte, como o próprio Gilmar (Dal Pozzo). E o fato de se encerrar um ciclo profissional não pode interferir numa relação pessoal. As amizades continuam. A bola passa e a amizade fica. Isso é normal do futebol. Ítalo fez um grande trabalho no clube, ele tem uma carreira elogiável. Entrou como estagiário e chegou ao cargo de funcionário mais alto do clube, que é a gerência de futebol. É um profissional que abriu mercado e que está no início da sua carreira. Mas existem ciclos e chegou-se ao entendimento que era um ciclo que precisava ser renovado”, finalizou Diógenes Braga.

PODCAST

No último episódio do na Cara do Gol, podcast do futebol pernambucano da Rádio Jornal, o momento de turbulência do Náutico foi analisado e debatido.

 

 


FECHAR