publicidade
15/10/20
Cristiano Ronaldo foi diagnosticado com covid enquanto à serviço da seleção. Foto: Miguel Medina/AFP
Cristiano Ronaldo foi diagnosticado com covid enquanto à serviço da seleção. Foto: Miguel Medina/AFP

Fifpro diz que alguns amistosos foram “irresponsabilidade”

15 / out
Publicado por Karoline Albuquerque em Futebol Internacional às 18:07

O mês de outubro chegou com as seleções voltando a ter datas Fifa, mesmo ainda em meio à pandemia do covid-19. Assim, a Fifpro, organização que representa os jogadores a nível internacional, criticou a realização de alguns amistosos, pelo risco de contaminação de coronavírus. A entidade disse que os amistosos podem trazer “grandes problemas” e ser uma “irresponsabilidade”.

Em entrevista ao site britânico BBC, o secretário-geral da Fifpro Jonas Baer-Horrmann destacou que os clubes estão preocupados em ter que isolar atletas que contraiam o vírus. Um exemplo é o atacante Cristiano Ronaldo, que foi diagnosticado com covid-19 enquanto estava com a seleção portuguesa, antes do jogo contra a Suécia, pela Liga das Nações.

LEIA MAIS:

>Primeiro-ministro britânico rejeita pedido de Rashford para ampliar merenda grátis

>Ministro dos Esportes da Itália diz que Cristiano ‘violou’ protocolo sanitário

>Napoli é punido com derrota por 3 a 0 por não jogar com a Juventus

“O que estamos vendo agora, especialmente em alguns lugares fora da Europa, é que esse risco está em um nível simplesmente irresponsável e que obviamente um amistoso não pode justificar qualquer tipo de risco à saúde dos atletas. Estamos em uma situação agora onde precisamos centralizar a tomada de decisões, em como e quais circunstâncias esses jogos podem e devem acontecer, porque claramente nem todo mundo está sendo responsável”, avaliou.

Baer-Hoffmann acredita que os amistosos foram disputados por pressão econômica, já que as federações que organizam essas partidas tem grandes contratos comerciais. Mas, a prioridade dessas federações deveria ser a saúde dos jogadores. “É muito difícil imaginar, do ponto de vista esportivo e de saúde, que esses jogos teriam prioridade se houver riscos severos”, concluiu.


FECHAR