publicidade
05/10/20
Jean Carlos chamou a responsabilidade para si neste mau momento do setor ofensivo. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Jean Carlos chamou a responsabilidade para si neste mau momento do setor ofensivo. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Náutico tem queda brusca na criação e finalizações em má sequência na Série B; Confira os números

05 / out
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 18:57

O Náutico atravessa uma fase complicada na Série B. Depois de uma boa largada na chegada de Gilson Kleina, elevando seu nível de jogo, se tornando uma equipe mais ofensiva e que mantém a posse de bola, os dois últimos jogos escancaram uma queda brusca de desempenho. Parte disso se dá pela perda de várias peças a cada rodada, como Jhonnatan, Rhaldney, Jorge Henrique e Jean Carlos (este retornou no último jogo), mas também na queda de rendimento de outras. Pegando as estatísticas do Alvirrubro nas derrotas para Cuiabá e Confiança, a queda se reflete pelo baixo número e na qualidade das finalizações do Timbu.

Nos oitos jogos do Náutico comandados por Gilson Kleina, a equipe finalizou 117 vezes, com uma média de 14,6 por jogo. Em cinco das oito partidas disputadas, o Timbu chutou, no mínimo, 16 vezes. Contudo, nos dois últimos confrontos foram apenas sete em cada, com apenas três e duas no gol, contra Cuiabá e Confiança, respectivamente. Significa, também, que a bola não tem chegado como deveria ao setor de ataque. No duelo contra o Dourado lá no Mato Grosso, Jean Carlos, principal atleta do Alvirrubro no ano, estava suspenso. Mas, diante do Dragão sergipano nos Aflitos, ele esteve no duelo e foi apagado. Por isso, o próprio camisa 10 chama a responsabilidade e assume que não tem estado no seu melhor.

LEIA MAIS

>> Náutico busca reabilitação na Série B contra Paraná e América-MG fora de casa

>> De chuteiras aposentadas, Carlinhos Bala se candidata a vereador no Recife e entra no campo da política

>> Ruy estreia com a camisa do Náutico e já visa as próximas partidas na Série B

“Sou um cara que me cobro muito e sempre assumo a responsabilidade quando o time não consegue criar, quando a bola não consegue chegar no Kieza ou quem for o atacante ali na frente. Me cobro muito e não dormi direito por isso. Sou um jogador de criação e tenho que fazer o time jogar. Então nesses últimos jogos, até mesmo contra a Chapecoense, não consegui criar bastante, mas me cobrei para isso, estou trabalhando para melhorar”, afirmou o armador, que também é artilheiro do Alvirrubro na Série B, com quatro gols marcados. Além disso, soma duas assistências na competição.

Uma possibilidade para que a equipe possa voltar a criar mais chances de gol podem passar pela entrada do meia Ruy entre os titulares. De características semelhantes às de Jean, também de bom passe, que pode municiar os atacantes do Náutico e finalizar bastante de fora da área, a esperança é que, contra o Paraná, na terça-feira (6), o time já retome essa vertente ofensiva. Apesar de ainda buscar entrosamento, o novo meio-campista terá todo apoio para se entrosar com os companheiros quando for acionado.

“O Ruy é um jogador inteligente, que gosta de jogar com a bola no pé. E com certeza tendo a oportunidade ali ele vai agregar bastante para a gente, e faremos de tudo para que ele possa ter o melhor desempenho e se entrosar o mais rápido possível”, encerrou Jean Carlos.

Finalizações do Náutico por jogo desde a chegada de Gilson Kleina

Náutico 3×3 Juventude: 19 finalizações, 10 no gol;

– Guarani 1×2 Náutico: 18 finalizações, sete no gol;

Náutico 1×0 Figueirense: 16 finalizações, duas no gol;

– Brasil de Pelotas-RS 2×1 Náutico: 19 finalizações, cinco no gol;

Náutico 3×1 Botafogo-SP: nove finalizações, quatro no gol;

Náutico 1×1 Chapecoense: 22 finalizações, sete no gol;

– Cuiabá 1×0 Náutico: sete finalizações, três no gol;

Náutico 0x1 Confiança: sete finalizações, duas no gol;

Média: 14,6 finalizações por partida, cinco no gol.


FECHAR