publicidade
16/09/20
Patric virou capitão do Sport após saída de Willian Farias. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Patric virou capitão do Sport após saída de Willian Farias. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

“Não é fácil ter a oportunidade de liderar”, afirma capitão do Sport

16 / set
Publicado por Davi Saboya em Notícias às 7:28

Capitão, o lateral-direito Patric é uma peça fundamental no elenco do Sport dentro e fora do campo. Depois que herdou a braçadeira após a saída de Willian Farias, ele consolidou a liderança pessoal e técnico perante o elenco. Depois do empate com o Palmeiras, fora de casa, o próprio jogador enalteceu a importância do trabalho psicológico que tem coordenado com os demais jogadores. Patric também admitiu que não é uma “missão” fácil tentar controlar a equipe fora das quatro linhas diante das dificuldades no caminho do Leão durante a Série A do Campeonato Brasileiro. Por outro lado, disse que é uma “satisfação” ter essa responsabilidade.

LEIA MAIS

> Torcedores apelidam novo uniforme do Sport nas redes sociais

> Sport divulga terceiro padrão da temporada e estreia uniforme contra o Fluminense

> Suspenso diante do Fluminense, Marquinhos desfalca o Sport também contra o Corinthians

“Toda construção ela requer tempo e todo tempo requer planejamento. Estamos fazendo um trabalho interno incrível. Existem muitas promessas surgindo na equipe durante a competição. Estamos em um campeonato difícil. Não é fácil ter a oportunidade de liderar, ajudar e ser um cara que as pessoas enxergam algo a mais. Porém, é gostoso. É um tempo novo na minha vida. Espero seguir trabalhando, ajudando, me empenhando cada vez mais para tentar ajudar o Leão da melhor maneira a ficar na Primeira Divisão”, comentou o lateral-direito.

Patric revelou que busca mexer com o astral da equipe do Sport de diversas formas. Além disso, contou que tem a ajuda de outros companheiros e todos estão sentindo os resultados do trabalho motivacional.

“Estamos conseguindo nos reunir, conversar, assistir vídeos. Emocionalmente procurando distribuir leituras e fazer encontros que possam levar a uma evolução. Acredito que na vida profissional é preciso estar bem em campo e ter maturidade financeira, espiritual e familiar. Não só eu, mas vários atletas estão comprometidos. Quem está participando tem observado a evolução”, explicou.


FECHAR