publicidade
05/08/20
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Salgueiro se consolida como a maior força do interior pernambucano

05 / ago
Publicado por Marcos Leandro em Principal às 23:54

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://imagens.ne10.uol.com.br/veiculos/_midias/jpg/2020/08/05/120x80/1_seloweb_600pxsalgueiro-16480804.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f2b3f37cfdd6', 'cd_midia':16480804, 'ds_midia_link': 'https://imagens.ne10.uol.com.br/veiculos/_midias/jpg/2020/08/05/seloweb_600pxsalgueiro-16480804.jpg', 'ds_midia': 'Selo do Salgueiro campeão pernambucano', 'ds_midia_credi': 'Arte: JC', 'ds_midia_titlo': 'Selo do Salgueiro campeão pernambucano', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '1224', 'cd_midia_h': '228', 'align': 'Left'}

 

Pode-se dizer que o Salgueiro foi pavimentando o título de campeão pernambucano. A trajetória de ascensão do time prova isso. Não é de hoje que o Carcará vem alçando voos cada vez mais altos, constituindo-se sem sombra de dúvida, no momento, como a maior força do interior do futebol pernambucano e a maior ameaça ao trio de ferro da capital.

Tal posto já foi de outras equipes, como o Vitória de Santo Antão no começo dos anos de 1990 e costumeiramente era designado também ao Central, dada a tradição da Patativa do Agreste. O América (da capital), bateu de frente com Sport, Náutico e Santa Cruz no passado mais distante. Mas a taça obtida no Arruda em cima do Santa Cruz eleva o Salgueiro, deixando para trás concorrentes, fazendo com que o Carcará passe a olhar mais de frente rubro-negros, alvirrubros e tricolores. Como foi este ano, com o time atingindo o ápice no certame local.

LEIA MAIS

>> Daniel Neri: o português que fez história no Salgueiro e no futebol de Pernambuco

>> Carcará: a origem do mascote do Salgueiro

>> Após título, presidente do Salgueiro desabafa: “coroamos esse projeto que começou há mais de 15 anos”

>> Salgueiro: um clube que revolucionou uma cidade

>> Confira a campanha vitoriosa do Salgueiro no Campeonato Pernambucano 2020

>> Salgueiro faz história, vence o Santa Cruz nos pênaltis e conquista título Pernambucano

Desde que estreou na elite Estadual, nos anos 2000, o Salgueiro já disse a que veio. Surgiu como uma nova força do interior, colocando Salgueiro no mapa do futebol e levando alegria a sua torcida. Antes de ser campeão pernambucano, o Carcará já tinha sido duas vezes vice (2015 e 2017) e terminado entre os quatro primeiros em mais quatro oportunidades – veja quadro ao lado. E a ascensão não ficou em território pernambucano. Os sertanejos acumulam cinco participações na Copa do Brasil e cinco na Copa do Nordeste.

“O Salgueiro é um time que entrou em ascensão e conseguiu se manter um patamar um pouco alto pelas condições financeiras dele. De 2015 até 2020, estamos nas finais em 50% das vezes. Pernambuco é um estado que, assim como São Paulo e Rio de Janeiro, possui três grandes times (na verdade, são quatro no Rio e quatro em São Paulo), então os clubes do interior sofrem muito. A gente sempre faz um bom planejamento, cumprindo os acertos com a comissão técnica e jogadores. Então existe uma confiança muito grande de todo mundo na direção. A diretoria tem poucas pessoas, não existe muita polêmica com relação ao poder de decisão como nos clubes da capital, que possuem Conselho Deliberativo e por aí vai. No Salgueiro são poucos que decidem. O pouco dinheiro que entra a gente gasta dentro do clube, pagando as contas e cumprindo com as obrigações”, declarou o presidente José Guilherme.

ÁPICE

O ponto mais alto nacionalmente do Salgueiro foi ter chegado à Série B em 2011. Fruto de uma emocionante classificação em quarto lugar na Terceirona de 2010. Os duelos do mata-mata contra o tradicional Paysandu são inesquecíveis, com os sertanejos eliminando o Papão na Curuzu em uma manhã ensolarada de domingo. Rebaixado na sequência, o time sertanejo obteve outro acesso, da D para a C, em 2013.


FECHAR