publicidade
12/07/20
Partida será entre Flamengo x Fluminense. Foto: Divulgação/Fluminense
Partida será entre Flamengo x Fluminense. Foto: Divulgação/Fluminense

Especialista avalia MP das transmissões: “fragmentação não é o caminho e exclusividade também não”

12 / jul
Publicado por Lucas Holanda em Futebol nacional às 10:08

Desde que o presidente Jair Bolsonaro assinou a Medida Provisória 984 no último dia 18 de junho, as discussões sobre o documento ganharam força nos debates diários no futebol brasileiro. O principal ponto da medida é o fato de que as negociações para transmissão dos jogos se tornem exclusividade do time mandante, sem a necessidade do aval do visitante. No entanto, se a MP – que tramita na Câmara dos Deputados – for aprovada, a massificação da medida só será possível a partir de 2024, ano em que acaba o contrato de grande parte dos clubes com a Rede Globo, detentora dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro.

Recentemente, o Fla-Flu da final da Taça Rio gerou muita polêmica. Isso porque o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) tinha decidido pelo compartilhamento da transmissão da partida entre os dois clubes, mesmo o Fluminense sendo o mandante da partida. No entanto, o Superior Tribunal de Justiça Despostiva (STJD) derrubou essa liminar e apenas o Tricolor transmitiu o clássico no seu próprio canal do Youtube: FluTv. Vale lembrar que a Rede Globo, detentora do Campeonato Carioca mas que não tinha assinado com o Flamengo e, por conta disso, não poderia transmitir os jogos do clube, decidiu não fazer a transmissão do estadual do Rio de Janeiro, alegando quebra de contrato de exclusividade, já que o Rubro-Negro transmitiu a partida contra o Boavista pela Flatv, no Youtube.

No entanto, após decisão judicial, a emissora teve que voltar atrás e transmitir uma das semifinais da Taça Rio, entre Fluminense e Botafogo. Porém, a transmissão das finais do Carioca não será realizada pela Globo. No primeiro jogo deste domingo, que terá mando do Fluminense, a partida será exibida apenas no canal oficial do clube, a Flutv. No entanto, na quarta-feira, dia 15, o jogo com mando do Flamengo será exibido pelo SBT, além da Flatv.

Diante de todo esse imbróglio da MP 984 e que pode afetar de forma massiva as transmissões do futebol brasileiro caso seja aprovada, a reportagem do Jornal do Commercio conversou com Lucas de Paula, sócio fundador da Outfield Consulting, uma empresa especialista no assunto e que vem acompanhando os desdobramentos do tema. Confira a entrevista completa.

LEIA MAIS

Zagueiro do Santa Cruz aprova retomada da Copa do Nordeste em sede única

Veja como Afogados e Vitória estão se preparando para a volta do Pernambucano

Veja os confrontos do mata-mata da Liga Europa

TRANSFORMAÇÃO DA MP NO FUTEBOL BRASILEIRO

O poder transformador da nova MP é imenso, é uma ruptura semelhante ao que vimos há cerca de 10 anos com o fim do Clube dos 13. Toda a lógica gerencial que o futebol brasileiro adotou nessa última década terá de ser revista nos próximos meses, principalmente caso a MP passe no Congresso. De fato, o modelo anterior em que mandante e visitante deveriam ter contrato com a mesma emissora já se demonstrava ultrapassado, mas a mudança poderia ter acontecido de forma um pouco mais agregadora.

Claro que podemos questionar como a MP foi constituída e quais premissas foram utilizadas na articulação entre o presidente Bolsonaro e CRF (Clube de Regatas do Flamengo), porém se aprovada em lei pelo congresso trará muito mais liberdade para os clubes em contratos vigentes e futuros pelos direitos de transmissão. Uma MP que interfere diretamente na estratégia da indústria, preferencialmente deveria ser discutida com mais players do mercado. Ponto é que visando a construção da Liga, a Lei se aprovada no congresso pode ser uma forma de estreitar o processo, independente de qualquer viés político.

MP E A UNIÃO DOS CLUBES 

A MP acelera a necessidade de grande parte dos clubes de se unirem para compor produtos mais atraentes ao mercado, e aumentarem por sua vez, o poder de barganha frente aos fornecedores. Na prática, a futura traz dinamismo em um discussão sobre a criação de uma liga que já ocorre nos últimos anos. Vejamos, não restam dúvidas sobre o potencial comercial que os grandes clubes geram, mas é importante lembrar que eles não jogam sozinho. Quase metade do Campeonato Brasileiro hoje é formado por clubes que não são os tradicionais “grandes”.

Neste sentido, ao invés de comemorar a suposta vitória dos clubes que agora podem negociar direitos por conta própria ou, na minha visão, destruir valor individualmente, temos que entender que enquanto não houver organização estrutural e um modelo de Liga, todo esse papo de rentabilizar melhor direitos de transmissão não vai se materializar, e a pobreza de formatos e falta de capacidade de entrega são regra (note-se: nem um décimo dos Clubes brasileiros têm estabilidade financeira e potencial comercial para criar uma transmissão como a que o Flamengo fez na FlaTV na semana passada – exceção total à regra). Fragmentação não é o caminho e exclusividade também não: o caminho é seguir os passos de ligas consolidadas no continente europeu, e replicar respeitando as diretrizes históricas de clubes e potenciais parceiros através de uma liga forte e sólida

Os recentes resultados das transmissões realizadas por Flamengo e Fluminense (ambas as maiores transmissões ao vivo da história do YouTube global) comprovam isso – a demanda está presente, agora como desenvolver uma oferta que converse com ela e entregue valor contínuo? Para resolver isso não precisamos ir muito longe. NFL e NBA, os dois maiores exemplos de monetização de direitos de transmissão no mundo, funcionam como ligas e a partir de negociações coletivas, criaram slots que são negociados individualmente.

Ou seja, não há fragmentação por clube e sim o “fatiamento” dos jogos em horários diversos, mais ou menos nobres, que são adquiridos de acordo com seu retorno de audiência – é assim que a NBC, por exemplo, gere há décadas o Sunday Night Football – de longe, o maior programa da TV americana há anos. Portanto, torço para que ao invés de mergulhar no nonsense da venda individual no “saldão”, os clubes brasileiros aproveitem o momento de crise e mudanças estruturais para se aproximarem e debaterem um modelo unificado em que estejam juntos também para criar produtos de qualidade.

LEIA MAIS

Novo uniforme do Santa Cruz deve ser lançado até setembro

Executivo diz que Sport não tem condições de disputar duas competições simultâneas

Presidente do Santa Cruz não crê em sede única nas séries A, B e C e aprova início ‘simultâneo’ das três competições

MP PODE SER SELETIVA CASO NÃO EXISTA UNIÃO DOS CLUBES

Sim (corre o risco de ser seletiva para alguns clubes), e a única forma de reduzir esse risco é através da união dos clubes. A MP modificou a segurança que os clubes menores tinham ao serem quase forçados a assinarem com a Rede Globo. Isso também não era legal, mas em tese garantiria a principal fonte de receita desses clubes (quase 70% do que um clube como o Goiás fatura, por exemplo, vem da televisão). À primeira vista, os direitos de transmissão dos clubes menores se desvalorizaram com a MP, e a maneira de torna-lo atrativo é juntando todo o campeonato em um mesmo grande pote.

DECISÕES DOS TRIBUNAIS NO FLA-FLU

Sempre quando há um envolvimento político direto no esporte, pode-se colocar pontos de questionamento, o que tira credibilidade junto aos stakeholders da cadeia, entre eles o próprio consumidor. Outrora o futebol brasileiro se resolvia mais nos tribunais do que em campo, e não é o que pregamos para a evolução do esporte, e tampouco quando discutimos a composição de uma Liga.

QUALIDADE DAS TRANSMISSÕES FEITAS PELOS CLUBES

Grande parte destes clubes derrapa para manter os salários de seus atletas em dia e para fazer entregas padrão aos seus anunciantes, que dirá desenvolver uma produção de alto padrão. Aqui surge outro ponto fundamental do debate: normalmente as pessoas não levam em consideração custos e capacidade de produção – capacidade leia-se como o valor central do que a transmissora entrega. Com a criação da Liga, os clubes poderão vender os direitos de transmissão não só para a Rede Globo, mas para outras empresas qualificadas e desenvolver este serviço como Turner, Amazon, DAZN, Record, entre outros.

Além disso, as transmissões próprias dos clubes atendem a um único público consumidor: o torcedor do próprio time. Como ocorreu no caso do Fluminense, a transmissão “clubista” pode até ser divertida, mas não atrai quem não torce para o Fluminense. A ideia não é necessariamente ruim, mas não dá para isso ser a única opção para conseguirmos ver um jogo.

LEIA MAIS

Fifa adia início das eliminatórias sul-americanas para outubro

Náutico concretiza permanência de Erick, que já pode atuar no Estadual e Nordestão

Após se desfazerem dos elencos, Decisão e Petrolina se preparam para o Pernambucano

O CONSUMIDOR E A MP

Este é outro ponto fundamental. A fragmentação dos direitos exige que o público saia da zona de conforto de sentar no sofá toda quarta e domingo e simplesmente saber que algum jogo estará acontecendo. Assistir um jogo de futebol vai exigir planejamento prévio, para sabermos qual canal transmitirá determinado jogo. E a partir do momento que essa fragmentação chegar o consumidor terá mais opções para acompanhar aos jogos. Como defensor do livre mercado, a concorrência entre grandes players pode ser benéfica para indústria como um todo.

COBRANÇA FEITA PELOS CLUBES NAS TRANSMISSÕES

A venda de direitos de transmissão representa quase metade do que todos os clubes de futebol arrecadam, salvo algumas exceções que conseguem monetizar melhor patrocinadores e diretamente o consumidor com bilheteria e programa de sócio. Não acreditamos que cobrança pela plataforma de streaming seja uma tendência para os próximos anos, o mercado naturalmente vai compor produtos para vender para as grandes redes de transmissão, que não necessariamente apenas a Rede Globo.

NEGOCIAÇÃO JUSTA DEPENDE DA UNIÃO DOS CLUBES

A criação da Liga é o caminho que todos os elos da indústria sairiam beneficiados. Os clubes agora precisam sentar, e entender como constituir um estatuto para negociação de venda coletiva para os contratos futuros.


FECHAR