publicidade
07/06/20
Foto: Tiago Morais/Rádio Jornal
Foto: Tiago Morais/Rádio Jornal

Náutico faz acordos com credores durante pandemia e evita novas dívidas

07 / jun
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 11:07

A situação financeira do Náutico tem sido afetada por conta da pandemia do novo coronavírus. Mesmo com um modelo eficiente de gestão nos últimos anos, tem passado por muitas dificuldades. O que levou o clube a ter que se desdobrar mais ainda pela redução de receitas. Com dívidas equacionadas e sendo pagas corretamente, o Timbu conseguiu fazer acordos na Justiça para aliviar o “aperto” durante  o atual momento. Isso tem contribuído para que a maior parte do foco se mantenha no pagamento de salários de funcionários e atletas. Algo que o Alvirrubro conseguiu quitar na última sexta-feira (5).

LEIA MAIS

>> Preparador físico explica planejamento de treinos do Náutico

>> Empresário de meia-atacante confirma negociação avançada com o Náutico

>> Em meio a pandemia, Náutico quita débitos atrasados e fica em dia com funcionários e atletas

“Alguns acordos foram suspensos, feitos até na Justiça. Eles foram suspensos devido à pandemia. A gente tem negociado com os credores, feito algumas situações e, inclusive, tem existido compreensão, porque é algo que tem afetado o mundo inteiro. A gente teve aquela redução muito drástica no nosso passivo, por conta de um trabalho muito grande do nosso jurídico de buscar negociar, quitar dívidas pequenas, que estavam se tornando elevadas por falta de uma atenção maior”, comentou o presidente do Náutico, Edno Melo, em entrevista ao repórter Antônio Gabriel, da Rádio Jornal.

O Náutico tem adotado a austeridade como lema na atual gestão. Depois de uma auditoria com o reconhecimento de todas as dívidas do clube, o Timbu havia atingido um total de R$ 284,5 milhões de passivo no balanço financeiro de 2018. Em um ano, buscando renegociar o que devia e não contrair novos débitos, este valor foi reduzido para R$ 146,3 milhões. É desta forma que a direção quer seguir. Mantendo o pagamento e saneando o clube, criando assim uma credibilidade aos credores, mostrando que está pagando corretamente e que, assim que conseguir retornar à normalidade, continuará quitando esses pagamentos.

“É isso que a gente não quer, que exista um aumento do passivo. Não adianta nada a gente pagar uma dívida e contrair outra para que em um ano ou dois ela estoure novamente no clube. Então estamos buscando isso, negociar, mostrar que a realidade do clube é outra, mas que nesse momento a gente também está sofrendo bastante com essa pandemia”, encerrou.


FECHAR