publicidade
03/06/20
Joanna, Juninho e Grafite foram alguns dos atletas que assinaram o manifesto pela democracia e contra o racismo. Fotos: Reprodução
Joanna, Juninho e Grafite foram alguns dos atletas que assinaram o manifesto pela democracia e contra o racismo. Fotos: Reprodução

Joanna Maranhão, Juninho Pernambucano e Grafite assinam manifesto pela democracia

03 / jun
Publicado por Karoline Albuquerque em Futebol nacional às 19:15

Um grupo de atletas e ex-atletas brasileiros utilizou as redes sociais nesta quarta-feira (3) para compartilhar um manifesto pela democracia e contra o racismo. O grupo foi “convocado” pelo ex-jogador e comentarista Walter Casagrande, na noite de terça-feira, e ganhou o endosso da ex-nadadora pernambucana Joanna Maranhão e os ex-jogadores Juninho Pernambucano e Grafite, além de outras personalidades dos esportes.

No texto publicado pelos atletas, o grupo destaca a união a outras vozes que lutam por direitos humanos e civis, além do respeito à diversidade. “O direito supremo à vida e a uma sociedade justa, igualitária e ANTIRRACISTA, o respeito das individualidades e o valor do coletivo em nome do bem-estar e da dignidade de todos”, diz parte do manifesto.

LEIA MAIS:

>Federação alemã de futebol decide não sancionar homenagens a George Floyd

>Liga do Escrete analisa retornos de ligas na Europa e a homenagem do mundo do futebol à George Floyd

>Raí critica Bolsonaro e diz que não é momento para retomar futebol no Brasil

“Não existe esporte sem luta pela democracia. Não existe democracia em uma sociedade racista. Ainda que o sistema esportivo se retroalimente do silêncio e conivência dos atletas, a gente tá aqui pra falar”, escreveu Joanna Maranhão. O Esporte pela democracia também tem assinaturas de Ana Moser, Gustavo Kuerten, Serginho Escadinha, Igor Julião, Pedro Solberg, Fernanda Garay, Fabi Alvim e Raí.

Confira o texto na íntegra:

Nós, atletas, ex-atletas e profissionais ligados ao esporte, cidadãos brasileiros antes de tudo, afinados com o pensamento de diversas categorias e nos juntando às vozes que pactuam com a democracia, os direitos humanos e civis, respeito à vida e à diversidade, estamos aqui unidos em nome daquilo que sempre acreditamos e praticamos em nossas profissões e deve se estender sem restrições ao exercício cotidiano: o direito supremo à vida e a uma sociedade justa, igualitária e ANTIRRACISTA, o respeito das individualidades e o valor do coletivo em nome do bem-estar e da dignidade de todos.

O sonho de todo atleta é representar o seu país. Estamos então aqui hoje para reconvocar a lucidez, diante da questão inadiável: que Brasil é esse que queremos trazer na camisa e chamar de nosso?”

Esporte pela democracia


FECHAR