publicidade
30/03/20
Gundogan foi o primeiro reforço após a chegada de Guardiola no City. Foto: Divulgação
Gundogan foi o primeiro reforço após a chegada de Guardiola no City. Foto: Divulgação

Para meia do City, está tudo bem entregar título da Premier League ao Liverpool

30 / mar
Publicado por Túlio Feitosa em Futebol Internacional às 12:59

Em entrevista a um programa da emissora alemã ZDF, o meio-campista do Manchester City, Ilkay Gündogan afirmou “ser justo” entregar o título ao Líverpool caso a Premier League não seja concluída devido ao coronavírus. “Para mim, tudo bem, sim”, respondeu o alemão, ao ser questionado sobre o assunto.

Leia Mais

>> Neymar nega ter desrespeitado confinamento por coronavírus em resposta a jornal catalão

>> Diretor do Dortmund afirma que o clube pode perder Sancho: ‘Temos que ceder à preferência do jogador’

>> Messi e Suárez comunicam redução de 70% dos salários do elenco do Barcelona

>> Caso coronavírus deixe sequela, corpo do atleta pode se adaptar

Faltando oito rodadas para o fim do Campeonato Inglês, o Liverpool está na liderança isolada, com 25 pontos de vantagem sobre o atual campeão Manchester City, que está na segunda colocação desta temporada. “Você precisa ser justo como atleta”, acrescentou Gündogan. Com 82 pontos somados, os Reds precisariam apenas de duas vitórias para levantar o troféu da Premier League pela primeira vez.

A última vez que o Liverpool venceu um Campeonato Inglês foi na temporada de 1989-90. Na época, ainda não era a Premier League, que só veio a dar início em agosto de 1992.

REDUÇÃO SALARIAL NA INGLATERRA

Com o impacto da Covid-19, o futebol inglês teve uma paralisação prejudicial, financeiramente falando. Mas, diferente de outros países, o tópico sobre redução salarial dos atletas ainda não bateu na terra da rainha. Gundogan lamentou o fato, mas acrescentou que estaria preparado para receber um corte salarial, caso os clubes ingleses seguissem clubes como a Juventus e Borussia Dortmund, ao pedir que os jogadores aceitassem a redução para que outros funcionários pudessem ser pagos. “É claro que acho que está tudo bem, isso não é preciso dizer – [mas] ainda não houve discussão na Inglaterra”, completou.


FECHAR