publicidade
18/02/20
Diógenes Braga relembrou como as torcidas organizadas eram nos anos 1990. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Diógenes Braga relembrou como as torcidas organizadas eram nos anos 1990. Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Vice do Náutico aprova extinção das organizadas, mas ressalta que é preciso mais

18 / fev
Publicado por Karoline Albuquerque em Náutico às 18:48

A Justiça determinou, nesta terça-feira (18), a extinção compulsória das três principais torcidas organizadas do estado de Pernambuco, a Torcida Jovem do Sport, Torcida Jovem Fanáutico e a Torcida Organizada Inferno Coral. Apesar de concordar com a decisão judicial, o vice-presidente alvirrubro Diógenes Braga ressalta que é preciso mais.

“Acho que esta decisão está correta. Mas não basta esta decisão. É preciso que haja fiscalização. Que as pessoas que criaram tumulto continuem sendo fiscalizadas dentro do estádio, mesmo sem o uniforme das organizadas”, opinou o vice-presidente do Náutico.

LEIA MAIS:

>Presidente da FPF comemora decisão da Justiça de extinguir organizadas

>“Vai ser um jogo muito difícil”, projeta goleiro do Náutico sobre duelo com o Botafogo

>Extinção de organizadas é primeira batalha vencida numa guerra maior

Diógenes Braga lembrou ainda de quando começou a frequentar estádios, na década de 1990. “Naquela época, as organizadas eram voltadas para incentivo do time na arquibancada. Ao passar do tempo, elas se descaracterizaram e passaram a ter uma infiltração muito grande de pessoas que iam para criar tumulto dentro ou fora do estádio. A partir disso deixaram de ser elemento benéfico ao futebol e passaram a ser um problema da sociedade”, completou.

A sentença judicial é resultado de duas ações do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) dos anos de 2012 e 2014. Com os recentes acontecimentos, principalmente no aniversário do Santa Cruz, quando membros de uma uniformizada do Sport invadiu a comemoração e levou pânico aos torcedores no bairro da Boa Vista, centro do Recife, a pressão acelerou o fim das ações.

A decisão do juiz Augusto Sampaio Angelim, da 5ª Vara da Fazenda Pública, permite que a Receita Federal cancele os CNPJs das organizadas.


FECHAR