publicidade
18/02/20
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Presidente do Santa Cruz diz que fim das organizadas é um passo para coibir violência

18 / fev
Publicado por Klisman Gama em Sem categoria às 21:12

Os clubes do Recife tem se manifestado sobre a extinção das três principais uniformizadas do estado, após decisão da 5ª Vara da Justiça da Fazenda. No caso do Santa Cruz, o presidente Constantino Júnior aprovou a decisão tomada, contudo, destacou que tal ação não é suficiente para se coibir a violência, mas sim um passo para que isso aconteça. Desta forma, ele cobra também para que outras ações sejam tomadas, não somente pelos clubes, mas da mesma forma pelo poder público.

LEIA MAIS

>> Extinção de organizadas é primeira batalha vencida numa guerra maior

>> Governo de Pernambuco protocola requerimento para extinção de organizadas

>> Extinção das torcidas organizadas volta a ganhar foco em debate

>> “Foi força de expressão”, diz Evandro Carvalho após sugerir que policiais atirassem em membros da organizada

>> Torcidas Organizadas de Sport e Santa Cruz brigam no metrô

>> Membros de organizadas presos pela Operação Arquibancada estão soltos

>> Em perfil de uniformizada do Santa Cruz, torcedores falam em ‘revide’ contra organizada do Sport

>> Milton Bivar nega relação do Sport com torcidas organizadas

>> Presidente do Santa Cruz quer atuar contra violência das facções organizadas

>> Invasão da torcida organizada do Sport na festa do Santa Cruz “surpreendeu” Polícia Militar

>> Opinião: Torcidas organizadas riem e o futebol chora

>> Vídeo registra hora em que organizada do Sport chega ameaçando festa de torcedores do Santa Cruz

>> Polícia Militar concorda com endurecimento da lei contra torcidas organizadas

“A gente espera que dê resultado. A gente vem esperando que a violência diminua nos estádios para que consigamos trazer as famílias (para os jogos), e uma sensação melhor de segurança para o torcedor. A gente espera que tenha um resultado prático, até porque em 2012 teve (a proibição) e não conseguiu coibir os casos de violência. É um conjunto de ações que vão dos clubes, de dentro através de leitura biométrica, vídeo monitoramento, e sistema de acompanhamento também de fora, que aí não são os clubes que devem fazer. E não é porque não vão funcionar mais (as uniformizadas), que se pode achar que vão parar. É um passo, mas achar que vai acabar por conta dessa decisão, não é bem assim. É preciso um conjunto de fatores para fazer que funcione”, avaliou o mandatário coral. 

A sentença judicial é resultado de duas ações do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) dos anos de 2012 e 2014. Com os recentes acontecimentos, principalmente no aniversário do Santa Cruz, quando membros de uma uniformizada do Sport invadiu a comemoração e levou pânico aos torcedores no bairro da Boa Vista, centro do Recife, a pressão acelerou o fim das ações.

A decisão do juiz Augusto Sampaio Angelim, da 5ª Vara da Fazenda Pública, permite que a Receita Federal cancele os CNPJs das organizadas.


FECHAR