publicidade
04/02/20
Jovem torcedor estava entre as vítimas do taque da Torcida Jovem nesta segunda. Foto: Cortesia.
Jovem torcedor estava entre as vítimas do taque da Torcida Jovem nesta segunda. Foto: Cortesia.

Torcedora do Santa Cruz relata reações dos filhos após ataque: ‘A senhora não me disse que era tão violento’

04 / fev
Publicado por Diego Borges em Notícias às 19:42

São inúmeros os relatos sobre o ataque de cerca de 80 membros da Torcida Jovem do Sport contra torcedores do Santa Cruz, que comemoravam o aniversário de 106 do clube coral na noite da última segunda-feira, no bairro da Boa Vista, centro do Recife. Porém, apesar do medo, há aqueles que não se dobram com a violência sofrida e mantêm firme o amor pelo clube do coração.

LEIA MAIS

“Meu sobrinho ficou traumatizado e não quer mais saber de futebol”, relata torcedor agredido

Organizada do Sport diz que ‘não compactua’ com ataque no aniversário do Santa Cruz

Milton Bivar nega relação do Sport com torcidas organizadas

Ministério Público vai solicitar investigação da confusão da torcida organizada do Sport na festa do Santa Cruz

Presidente do Santa Cruz quer atuar contra violência das facções organizadas

A torcedora Kênia Daiana, de 38 anos, estava no Pátio da Igreja da Santa Cruz junto com os dois filhos, de 12 e 8 anos, além de uma outra criança de 11 anos, acompanhada de dois amigos da família. Ambos foram atacados durante a ação violenta.

“Meus filhos estavam jogando bola na hora. A Torcida Jovem entrou pelas costas da Polícia, que foi surpreendida. Foi quando vieram já gritando ‘É a Jovem’, fazendo aquela arruaça toda”, relata Kênia, que não conseguiu correr como os demais torcedores por atravessar um período de recuperação de uma cirurgia.

“Derrubaram o meu filho mais novo, e até um rapaz que na hora ficou por cima dele protegendo, foi pisoteado. O meu filho mais velho e o amigo dele saíram correndo, desesperados. Eu também fiquei desesperada, querendo saber onde estavam as crianças. Como estou cirurgiada, não conseguia nem correr. Esse foi o meu desespero.”

Segundo a torcedora, o filho mais velho sofreu ferimentos superficiais.”Ele está com as costas arranhadas”, enquanto o mais novo, ficou traumatizado porém no quesito psicológico. “O (filho) de oito anos, foi a primeira vez dele, nunca tinha ido a um movimento. Está com mais trauma, falando o tempo todo no assunto. Ele me disse: ‘Mainha, a senhora não me disse que era tão violento. Se a senhora me dissesse, eu não tinha ido não, mãe.’ Mas foi um negócio inesperado. Ninguém sabia. Foi um risco para mim, para eles e para todos que estavam ao redor”, afirmou.

Kênia também afirma que no momento da agressão não havia torcedores da Torcida Organizada Inferno Coral, cuja imagem é vinculada ao Santa Cruz. “Só tinha pessoas de família. Idosos, mulheres, crianças e pais de família. Não tinha ninguém de torcida organizada do Santa Cruz na hora em que eles chegaram. Eram torcedores, vendo as crianças jogando.”

De acordo com ela, a Polícia Militar de Pernambuco teve um papel importante para evitar um episódio ainda mais violento. “A gente permaneceu no local até umas nove (horas) da noite, porque depois chegou o carro de som e o reforço policial. A culpa não foi da Polícia. Eles não foram omissos em momento algum. Pelo contrário. Tentaram ajudar, querendo dispersar os baderneiros mas a quantidade em que eles chegaram foi muito grande, eles chegaram pelas costas”, atesta.

AMOR INABALÁVEL

Apesar do susto, a torcedora não se deixa abalar. E diz ainda que o filho mais velho também segue o mesmo pensamento de perseverança nas arquibancadas para os próximos eventos do clube. “Ele é acostumado a estar comigo em jogo e nessas movimentações, sempre vai. Ele é sossegado com isso e mesmo estando com as costas machucadas, disse que vai e não tem problema”, diz, antes de afirmar.

“Quando tiver (jogos), se eu estiver em condição física melhor e tiver outra oportunidade de ir, nós iremos novamente. Deixar de torcer pelo Santa Cruz? Jamais. Deixar de seguir o time do coração? Jamais. Não é por conta de baderneiros que vamos deixar de torcer. Torcedores somos nós, que vamos pela paz com as nossas famílias. Não é através de baderna, como eles fizeram não”, aponta Kênia.


FECHAR