publicidade
04/02/20
Tricolores comemoravam o aniversário da fundação do clube no pátio do Santa Cruz. Foto: Reprodução
Tricolores comemoravam o aniversário da fundação do clube no pátio do Santa Cruz. Foto: Reprodução

“Meu sobrinho ficou traumatizado e não quer mais saber de futebol”, relata torcedor agredido

04 / fev
Publicado por Diego Borges em Notícias às 16:16

“Meu sobrinho ficou traumatizado e não quer mais saber de futebol.” O relato do torcedor Maurílio Marcelo ao descrever a reação do sobrinho de dez anos, ambos vítimas do ataque da torcida organizada Jovem do Sport a torcedores do Santa Cruz durante a comemoração do aniversário do clube coral na última segunda-feira, é chocante para qualquer aficionado pelo futebol.

Maurílio, o filho de três anos e o sobrinho, de dez, estavam no Pátio da Santa Cruz quando cerca de 80 membros da Jovem – segundo a Polícia Militar de Pernambuco-PMPE – partiram para o ataque contra o grupo de tricolores, armados de paus, pedras e garrafas, e entoando o grito da principal torcida organizada do clube rival.

LEIA MAIS

Organizada do Sport diz que ‘não compactua’ com ataque no aniversário do Santa Cruz

Milton Bivar nega relação do Sport com torcidas organizadas

Ministério Público vai solicitar investigação da confusão da torcida organizada do Sport na festa do Santa Cruz

Presidente do Santa Cruz quer atuar contra violência das facções organizadas

A festa até então corria de forma tranquila. Porém, exatamente às 19h14, quando crianças reeditavam a ‘pelada’ da fundação do clube há exatos 106 anos, a investida aconteceu. “No momento em que a Torcida Jovem invadiu, os meninos estavam jogando bola e, de repente, houve o tumulto”, lembra Maurílio, que no momento se separou do sobrinho.

“O meu filho estava no meu braço e eu corri com ele para dentro do restaurante. Caí e fui pisoteado, meu filho também, e o meu sobrinho correu para o lado errado. Acabou caindo e se ferindo”, completa.

Maurílio não foi o único a se machucar. Com as garrafas de cerveja, cadeiras e mesas quebradas pelo pátio, outros torcedores acabaram feridos, além dos que sofreram violência direta dos agressores, com chutes e socos. “Foi uma loucura, muita gente machucada. Foi complicado demais.”

AÇÃO FUNDAMENTAL DA PM

Antes mesmo da investida, uma viatura da Polícia Militar fazia a cobertura do evento, orientando inclusive os torcedores do Santa Cruz. A partir da invasão, a ação da PMPE foi imediata, considerada pela corporação como fundamental para evitar uma tragédia ainda maior. “Isso. Se não fosse a viatura da Polícia, poderiam ter acontecido coisas bem piores”, endossa Maurílio.

O pânico provocado pelo ataque demorou a passar. Aos poucos, os torcedores refugiados nos bares voltaram ao pátio, alguns tentando encontrar as crianças perdidas, assim como o sobrinho de Maurílio.

“Depois que acalmou, eu procurei ajudar as pessoas que estavam machucadas. Teve filho que se perdeu do pai, foi complicado o momento lá.” E até para voltar para casa havia risco. “A gente pensava em querer sair, mas não dava. A Polícia pediu para a gente esperar, porque poderia ter torcedores da organizada por perto. Esperei duas horas para poder sair do local”, afirma o torcedor.

AS MARCAS QUE FICAM

Todo aficionado por futebol sabe que a violência, independente da camisa do clube, não é um tema novo nas rodas de debates. Tanto que atravessam gerações de famílias, assim como a de Maurílio. Do avô, ao pai e ao neto, o medo adquirido a partir de atos dessa natureza acabam marcando para sempre. Traumas que ficam e interferem até mesmo no prazer de acompanhar uma partida de futebol in loco.

“Já tinha passado (por algo do tipo) em 2013, quando a própria torcida do Santa Cruz brigava entre si. Foi o último jogo em que meu pai foi a campo, num Santa Cruz e Central. Com a violência, meu pai acabou desistindo de futebol. Parou de frequentar estádio e hoje esse é o meu sentimento, porque a violência está grande. Só quem estava ontem sabe a violência que foi”, aponta Maurílio, antes de relatar a experiência negativa dos garotos presentes durante a invasão.

“Meu filho tem apenas três anos, e a inocência foi tão grande que no momento ele ficou sorrindo, achando que era uma brincadeira. Já o meu sobrinho ficou traumatizado e não quer mais saber de futebol. Assistindo à televisão (um dia após o ataque), ele viu os vídeos e começou a chorar. Ficou lembrando.” Uma ferida, que vai demora a sarar. “O pior é esse”, concluiu o torcedor.


FECHAR