publicidade
26/01/20
Após quase um ano, Erick voltou a marcar um gol em jogo oficial. Caio Falcão/Náutico
Após quase um ano, Erick voltou a marcar um gol em jogo oficial. Caio Falcão/Náutico

Náutico: Erick revela depressão e não marcava desde fevereiro de 2019

26 / jan
Publicado por Robert Sarmento em Campeonato Pernambucano às 20:19

”Acho que meu último gol foi no Campeonato Baiano. Estava no Vitória”. Foi com essa frase que Erick completou uma das respostas durante a coletiva de imprensa, após a vitória sobre o Petrolina, por 1 x 0, no Campeonato Pernambucano. O atacante não balançava as redes desde o dia 06 de fevereiro de 2019, quando atuava pelo Vitória-BA, em um duelo contra o Jequié pelo Estadual. 

Ao marcar o gol que garantiu a vitória alvirrubra no campeonato estadual, o jogador revelou ter tido depressão pela má fase. O sonho de jogar na Europa virou uma frustração para o jovem de 22 anos.

”Foi mais pelo que eu passei em Portugal. Sou eu minha família sabem o que eu passei lá. Fiquei sem jogar, não fiz gol lá. Acabei entrando em depressão também. Estou muito feliz em voltar e, no primeiro jogo como titular fazer o gol da vitória. É um sentimento que eu nunca mais vou esquecer”, revelou.

>>>Náutico: ouça o gol de Erick contra o Petrolina na voz de Aroldo Costa

>>>Náutico surpreende Petrolina no final do jogo e consegue primeira vitória

Revelado na base alvirrubra, Erick disputou a temporada 2017 pelo clube e foi negociado por R$ 2,8 milhões para o Braga-POR, mas vive sendo emprestado (situação atual no Náutico). Ao todo, contando a passagem pelo Gil Vicente-POR, o jogador só atuou em 36 partidas e passou em branco nas duas experiências pelo continente europeu.

Pressão do torcedor

O futebol é um esporte coletivo e Erick ressaltou esse aspecto ao dizer que o resultado positivo não serviu apenas para ele. Mesmo em inicio de temporada, o elenco já estava sendo pressionado pelo torcedor, após os dois empates nos Aflitos (1 x 1 contra Sport e River-PI). Em relação a cobrança, ele citou o acesso no Campeonato Brasileiro e o título da Série C apesar de não ter feito parte do grupo.

”Para vestir essa camisa, sempre vai ter pressão. O que passou passou. Subimos, fomos campeões, mas o torcedor esquece. No começo, é natural ter essa cobrança. O jogo foi difícil, campo irregular e a bola quicava muito. Em uma jogada no final, conseguimos o resultado. O gol não foi meu, foi do grupo todo”, completou

.


FECHAR