publicidade
10/01/20
Atacante ressaltou desejo de voltar a defender o Timbu. Foto: Tiago Morais/Rádio Jornal
Atacante ressaltou desejo de voltar a defender o Timbu. Foto: Tiago Morais/Rádio Jornal

Kieza ressalta amor pelo Náutico e felicidade em voltar ao clube

10 / jan
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 11:06

Anunciado na última quarta-feira, chegando nos braços da torcida no aeroporto e já presente nos treinamentos da quinta, Kieza foi apresentado pelo Náutico na manhã desta sexta-feira (10). Com salários divididos entre o clube e um patrocinador, o atacante chega como uma grande contratação, considerada a maior contratação do futebol pernambucano até o momento. O acerto entre as partes, pelo menos verbal, já existia desde novembro. Contudo, dependia ainda do aval do Fortaleza e do técnico Rogério Ceni. Ao final, a vontade alvirrubra foi feita e o artilheiro voltou.

LEIA MAIS

>> Concorrência com Kieza é exaltada por Salatiel

>> Bryan não esconde felicidade em voltar ao Náutico

>> Salatiel revela surpresa ao ser contratado pelo Náutico

>> Odilávio emite nota respondendo a acusação de ter forjado atraso do Náutico

“Quero primeiramente agradecer a Deus por ter a oportunidade novamente de estar vestindo essa camisa, voltando para essa casa. É uma felicidade imensa que estou sentindo por dentro. Quando cheguei em 2011 não era torcedor do Náutico, mas saí daqui amando esse clube, amando essas cores que deixam a gente apaixonado, amando a torcida. Quando o Diógenes (Braga, vice-presidente de futebol) me ligou em novembro, no primeiro papo que a gente teve eu disse que sim. Já estávamos acertados desde novembro que eu queria voltar”, comentou Kieza. 

Questões como o patamar salarial foram acertadas, já que o centroavante recebia a mais do que o Náutico pode pagar atualmente. Feito o acordo, agora ele tem o pensamento de voltar a balançar as redes a favor do Alvirrubro como fez bem em 2011 e 2012, até o começo de 2013. Foram 70 partidas disputadas e 43 gols marcados

“A gente acreditou no projeto que essa diretoria, o Edno (Melo, presidente) e o Diógenes propôs para a gente. Logo falei que sim, que a gente daria um jeito de se virar para voltar. E a gente teve muito trabalho para conseguir estar de volta e, se Deus quiser, quero dar o máximo de mim e poder ajudar da melhor forma possível. Não só dentro de campo, mas também ajudar o Náutico fora de campo”, arrematou.


FECHAR