publicidade
12/12/19
No primeiro ano como profissional, Thiago disputou 36 jogos e marcou oito gols em 2019. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
No primeiro ano como profissional, Thiago disputou 36 jogos e marcou oito gols em 2019. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Em despedida, Thiago demonstra gratidão ao Náutico e lembra dificuldades do início

12 / dez
Publicado por Fernando Castro em Náutico às 17:40

Vendido ao Flamengo como a maior negociação da história do Náutico, o atacante Thiago se despediu do clube nesta quinta-feira em coletiva no CT Wilson Campos. Antes de partir para o atual campeão da Libertadores, o jovem de apenas 18 anos lembrou as dificuldades no início de sua trajetória no futebol, como a falta de passagens. De família humilde, o atacante foi criado no bairro do Pina, Zona Sul do Recife, onde deu os primeiros passos no futebol.

“O momento mais difícil que eu passei no Náutico foi logo no começo, quando cheguei. As dificuldades com falta de passagens. Às vezes a minha mãe tirava o dinheiro da comida para comprar passagem e eu vir treinar. Mas mesmo com tudo isso eu nunca desisti. Às vezes eu tinha só uma passagem de ida, tinha que pular catraca para não faltar os treinos. Mas fui dando continuidade à minha carreira, era um sonho desde pequeno que eu tinha de ser jogador profissional”, lembrou Thiago.

Depois das dificuldades do início no Náutico, ainda com 17 anos, Thiago ganhou a primeira oportunidade com a equipe profissional. Sob o comando do técnico Márcio Goiano, em dezembro do ano passado, o atacante, até então desconhecido pelo torcedor alvirrubro, foi titular no amistoso internacional contra o Newell’s Old Boys, que marcou a reabertura do estádio dos Aflitos. Mais do que isso, Thiago foi o autor do gol que garantiu a vitória do Timbu, por 1×0.

“O momento mais feliz na minha carreira, no Náutico, foi quando eu tive a minha primeira oportunidade. Márcio Goiano me deu a chance de jogar como titular na reabertura dos Aflitos. Inclusive eu pude fazer um gol, o jogo terminou 1×0 com gol meu. Esse foi o momento mais feliz da minha vida no Náutico. Estar colhendo esses frutos agora eu só tenho que agradecer ao professor Márcio pela oportunidade, Gilmar quando chegou me manteve no time. E eu pude ir jogando, fazendo meus gols, buscar meu espaço”, destacou.

LEIA MAIS

>Náutico confirma venda do atacante Thiago para o Flamengo

>Opinião: Thiago, do Náutico, estaria bem vendido por R$ 7 milhões

>Náutico atento à hidratação dos atletas no calor pernambucano

RÁPIDA ASCENSÃO

Em menos de um ano, a carreira do jovem jogador decolou. Não demorou muito para Thiago conquistar a titularidade absoluta do Náutico em 2019, superando nomes como o de Jorge Henrique, principal contratação do clube nesta temporada. Em abril deste ano, com poucos meses de profissional, a joia alvirrubra foi convocada pelo técnico André Jardine para uma semana de treinamentos com a seleção brasileira sub-18. Depois, mesmo sem tanta bagagem, foi um dos principais nomes do elenco alvirrubro na campanha do acesso à Série B e do inédito título nacional.

“Eu não esperava que as coisas fossem acontecer tão rápido assim na minha vida. Em menos de um ano a minha vida praticamente mudou. Há um ano atrás, se for pesquisar minha vida, não era nada. No decorrer de oito meses eu pude subir para o profissional, fui reconquistando meu espaço na pré-temporada no profissional, desci (para a base) e fui para a Copinha, depois voltei para o elenco, fui treinando, dando o meu melhor, fazendo a minha parte e fui conquistando as minhas coisas”, comentou o atacante.

Com a rápida ascensão na carreira, Thiago demonstrou gratidão ao Náutico e, no futuro, projeta um retorno ao clube. “Futuramente, quando eu tiver no fim da minha carreira, o clube que eu penso a jogar quando eu retornar é o Náutico. O clube que abriu as portas para mim e me deu a oportunidade”, disse.


FECHAR