publicidade
02/12/19
A norte-americana conquistou a Copa do Mundo 2019. Foto: AFP
A norte-americana conquistou a Copa do Mundo 2019. Foto: AFP

Megan Rapinoe vence segunda Bola de Ouro feminina

02 / dez
Publicado por Karoline Albuquerque em Futebol Feminino às 17:44

Da AFPMegan Rapinoe, uma das capitãs da seleção dos Estados Unidos campeã do mundo em julho deste ano e ícone da luta pelos direitos LGTB e da igualdade de direitos entre homens e mulheres, conquistou a segunda Bola de Ouro feminina da história, nesta segunda-feira (2) em Paris.

A jogadora de Seattle, maior artilheira e melhor jogadora da Copa do Mundo da França, sucede aos 34 anos a norueguesa Ada Hegerberg, vencedora em 2018 no lançamento deste prêmio entregue pela revista France Football.

LEIA MAIS:

>Jogo adiado pelo Francês entre Monaco e PSG fica para 2020

>Jorge Jesus mira Mundial de Clubes: ‘muita motivação’

>Real Jardim conquista título Sub-15 do Recife Bom de Bola

No pódio ela teve a companhia da inglesa Lucy Bronze e sua companheira na seleção americana, Alex Morgan. Com uma personalidade forte, que ultrapassou rapidamente o âmbito futebolístico, Rapinoe se tornou um ícone da oposição ao presidente americano Donald Trump.

A jogadora não compareceu à cerimônia realizada no Théâtre du Châtelet, mas deixou uma mensagem de agradecimento em um vídeo: “Não posso acreditar que ganhei. Vivemos um ano formidável”. “Temos a sorte de termos do nosso lado todas essas jogadoras que nos empurram para cima.  Vou fazer tudo o que for possível para estar aí no próximo ano”, acrescentou.

Rapinoe era a grande favorita a conquistar o prestigioso prêmio na categoria feminina.

Os Estados Unidos conquistaram o tetracampeonato mundial ao vencer a Holanda por 2×0 na final da Copa do Mundo no dia 7 de julho, em Lyon, na França. A campanha das americanas foi impecável, com 7 vitórias em 7 jogos e Rapinoe encerrou o torneio como uma das artilheiras, com 6 gols ao lado de sua companheira Alex Morgan e da britânica Ellen White.

Wendie Renard, Amandine Henry, Dzsenifer Marozsan, Sarah Bouhaddi, Lucy Bronze e Ada Hegerberg. Foto: Anne-Christine POUJOULAT / AFP


FECHAR