publicidade
19/10/19
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Retomar diálogo com o torcedor: um dos maiores acertos do Náutico

19 / out
Publicado por Klisman Gama em Náutico às 10:15

O Náutico viveu um dos piores momentos da sua história nesta década com a queda para a Série C, acúmulo de dívidas, saída dos Aflitos, jejum de títulos e um dano ainda maior, por causa desse acúmulo. O afastamento do seu torcedor. A ida para a Arena de Pernambuco, somada a todos os fatores já citados, gerou uma queda consecutiva da média de público nos jogos. O relacionamento entre clube e torcedor estava enfraquecido e foi se restabelecendo ao ser posto como uma prioridade nos últimos dois anos. 

LEIA MAIS

>> Thiago agradece ao Náutico e mantém pensamento para 2020 no Timbu

>> Opinião: folha salarial do Náutico em 2020 pode crescer após o Estadual

>> Opinião: Náutico, ser cauteloso e responsável não significa ser apenas econômico

“(Uma medida foi) abrir o clube a um conjunto de torcedores sem distinção, de dizer que temos muito perfis de torcedores e a gente quer que todos eles vivam a possibilidade de ser torcedor do Náutico, frequentar o estádio e viver a vida do clube. Um grande mérito do trabalho foi tentar trazer de volta para conversar com a gente, para se ver de novo como alvirrubro um torcedor que, às vezes, se via excluído e não se sentia parte disso. Segundo, abrir de forma muito clara qual projeto a gente tem”, avaliou o vice-presidente de marketing e comunicação do Náutico, Ricardo Mello, em entrevista exclusiva para o Jornal do Commercio e Blog do Torcedor..

O Alvirrubro saltou, nesse período sob a gestão do presidente Edno Melo, de 1800 para mais de 15 mil sócios. Um dos principais méritos neste momento positivo que o Náutico tem vivido. A conquista de títulos, encerrando o jejum de 14 anos, também foi fundamental para que o engajamento voltasse a crescer. Mas nos bastidores, outras ações também foram planejadas para que o torcedor interagisse e vivenciasse o Náutico de diferentes maneiras. 

“Duas coisas me chamavam a atenção nesse período em que a gente começou. Primeiro que antes que de começar o mandato, a gente criou um plano de metas e incluiu o relacionamento com o torcedor, a comunicação com o torcedor. No início foi tentar restabelecer de forma mais regular, mais aberta e franca o diálogo com o torcedor, principalmente nas redes sociais, a relação com a imprensa, pensar os assuntos do clube. E criar de novo uma interlocução com o torcedor e estruturar um departamento que tivesse também as suas metas. Ou seja, o marketing e comunicação são fundamentais para um projeto que precisa ter ação e que não vai viver só de imagem. O grande mérito dessa gestão foi ter de volta a credibilidade, que vai trazendo de volta essa confiança do cara participar e virar sócio”, pontuou o dirigente.


FECHAR