publicidade
13/09/19
Jean Carlos cobrou o pênalti marcado aos 49 do segundo tempo. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Jean Carlos cobrou o pênalti marcado aos 49 do segundo tempo. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

STJD solicita à CBF não homologação do resultado de Náutico x Paysandu

13 / set
Publicado por Karoline Albuquerque em Náutico às 19:10

Atualizada às 20h56

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) recebeu o pedido do Paysandu para impugnação da partida contra o Náutico, pela volta das quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro. No jogo do último domingo (8), os times ficaram no 2×2 no tempo normal e o Timbu garantiu o acesso na disputa de pênaltis. O presidente do STJD do Futebol Paulo César Salomão Filho determinou a não homologação do resultado, na noite desta sexta-feira (13). Ou seja, até que o Tribunal não aprecie o caso e dê um desfecho, o resultado da partida ainda não é válido oficialmente.

O Papão da Curuzu havia pedido também que a Terceira Divisão fosse paralisada, mas o presidente negou. “Determino que se dê imediato conhecimento da instauração do processo ao Presidente da Confederação Brasileira de Futebol, para que não homologue o resultado da partida realizada no dia 08/09/2019, válido pelas quartas de final do Campeonato Brasileiro da Série C 2019, entre Paysandu e Náutico Capibaribe”, diz o despacho.

LEIA MAIS:

>Advogado não crê em impugnação de Náutico x Paysandu pelo STJD

>Hereda celebra ascensão da base e volta por cima no Náutico

>PM solicita mudança na data do jogo entre Náutico e Juventude, nos Aflitos

>Opinião: Projetando a temporada de 2020 do Náutico

Roberto Selva, advogado do Náutico, afirma que o clube está tranquilo. “O presidente do STJD meramente recebeu e mandou ouvir o náutico em uma situação normal do contraditório. O indicativo que ele deu na decisão é claro, já que ele mandou seguir com a competição. uma situação evidente de que o resultado será mantido”, disse.

Selva explicou ainda que o pedido para que o resultado não seja homologado significa que há um processo que tenta anular a partida. Enquanto o processo existir, é obrigação legal ter a suspensão da homologação. O presidente alvirrubro Edno Melo está bastante tranquilo quanto ao caso. “Isso foi uma mera formalidade”, minimizou.

Para Salomão Filho, porém, parar a disputa do Campeonato Brasileiro da Série C é exagero, “demasiadamente acentuado”, para os clubes envolvidos e o esporte em si. Ainda não há data para julgamento no Pleno do Tribunal. O Náutico tem um prazo de dois dias para se manifestar.

O que acontece com essa decisão de Paulo César Salomão Filho é simples: apesar de ele ter determinado a não homologação do jogo Náutico 2×2 Paysandu, válido pela partida de volta das quartas de final da Série C, nos Aflitos, para que o STJD analise o pedido de impugnação do Papão, o próprio Tribunal garantiu que o duelo da semifinal entre Náutico x Juventude, marcado para este domingo (15), no Rio Grande do Sul, aconteça sem prejuízo para a competição.

A bronca do Papão

O Paysandu contesta o pênalti marcado pelo árbitro Leandro Pedro Vuaden aos 49 do segundo tempo, favorável ao Náutico. A penalidade deu o empate ao Timbu e levou a partida para a decisão na cobrança de penalidades. Nos tiros livres, o time pernambucano venceu por 5×3 e garantiu vaga na Série B 2020.

Neste domingo (15), o Alvirrubro enfrenta o Juventude no primeiro jogo da semifinal. Agora, objetivando ser um dos finalistas da competição.


FECHAR