publicidade
12/09/19
Zagueiro tem a oportunidade de marcar diante do Juventude. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Zagueiro tem a oportunidade de marcar diante do Juventude. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Sem marcar na temporada, Camutanga comemora lance salvador como gol

12 / set
Publicado por Karoline Albuquerque em Náutico às 12:27

Se os zagueiros do Náutico fizerem sua tabela de artilharia à parte, Camutanga fica em último lugar por não ter marcado gols na temporada. Diego Silva tem três gols marcados esse ano, seguido por Rafael Ribeiro e até Fernando Lombardi, que chegou por último, ambos com um gol. Mas, um lance valeu mais do que a rede balançada para Camutanga. O defensor evitou um gol do Paysandu, ainda no primeiro tempo da decisão do acesso à Série B, no último domingo (8).

“Foi o gol do ano para mim. Eu não fiz gol, de todos os zagueiros que estão aqui, fui o único até agora que não fiz gol ainda. Tem outro jogo pela frente, espero fazer o gol, mas creio que foi um lance que tenho que comemorar como um gol”, destacou o jogador. Ele não consegue nem explicar como tudo aconteceu. Mas, quando viu o goleiro Jefferson ser driblado, só pensou em correr.

LEIA MAIS:

>Carreata foi surpresa para Camutanga em sua cidade natal

>Estádio dos Aflitos receberá jogo da seleção após conquista do acesso

>Náutico volta as atenções para a decisão contra o Juventude

“Graças a Deus, consegui tirar aquela bola no momento que estava 1×0 para o Paysandu já. Aquilo ali não comemorei muito na hora porque a gente estava perdendo. Se a gente estivesse ganhando e eu tivesse tirado aquela bola, seria um lance que eu estaria mais comemorando. Vi quanto foi importante esse lance. Se tivesse tomado o segundo gol ali, ia voltar pro segundo tempo com 2×0 e seria mais preocupante pra gente”, emendou.

Por enquanto, Camutanga tem duas partidas para conseguir sair do zero e marcar ao menos um gol na temporada atual, na semifinal da Série C contra o Juventude. A última vez em que ele balançou as redes pelo Timbu foi ainda na primeira fase da Copa do Brasil, diante do Cordino. Aquele tento, inclusive, deu a classificação ao Náutico, já que o time perdia e o empate fora de casa garantia a sequência na competição.

“Esse gol tem que sair, porque a cobrança está demais. Meus familiares estão cobrando direto. Minha mãe não entende muito de futebol e fica dizendo “chuta em gol”. Eu digo “mãe, como eu vou chutar em gol lá de trás? Como? Calma”. Vai sair esse gol. Tive um lance no jogo, quando estava 2×1, perdi aquele gol. A ansiedade está grande para que esse gol saia”, concluiu o zagueiro.


FECHAR