publicidade
10/09/19
Liverpool conquistou a última edição da Liga dos Campeões da Europa. Foto: AFP
Liverpool conquistou a última edição da Liga dos Campeões da Europa. Foto: AFP

Agnelli quer “solução até 2022” para reforma na Champions

10 / set
Publicado por Davi Saboya em Notícias às 19:37

AFP – “Sabemos que temos que encontrar uma solução até 2022” sobre a reforma da Liga dos Campeões, declarou nesta terça-feira Andrea Agnelli, presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA), durante reunião da entidade em que o tema foi longamente abordado.

“A verdadeira data limite é 2022. Não temos nenhum poder. Formalmente, é o comitê executivo da Uefa que poderá propor e decidir”, declarou Agnelli, que também é presidente da Juventus e foi reeleito para comandar a ECA, entidade que representa mais de 200 clubes europeus.

A Uefa e a ECA apresentaram há alguns meses um projeto de reforma que estabelece, a partir de 2024, uma Liga dos Campeões com quatro grupos de oito equipes, oferecendo mais jogos e, consequentemente, mais receita aos participantes.

LEIA MAIS

> Ex-Palmeiras, Mina é multado por participação em comercial de apostas

> Peru tentará se vingar do Brasil por derrota na final da Copa América

> Série de e-mails mostra que LaMia sabia os riscos do voo da Chape

> Bélgica goleia Escócia com show de De Bruyne nas eliminatórias para Euro-2020

> Croácia tropeça contra o Azerbaijão e complica vaga na Eurocopa

Nesse novo formato, 24 das 32 equipes estariam automaticamente classificadas para disputar a competição no ano seguinte, o que teoricamente beneficiaria os maiores clubes e provocou críticas contra uma Champions “fechada”.

Diante da oposição de diversos clubes, muitos deles membros da ECA, e de muitas ligas preocupadas com uma reforma que ameaçaria seus campeonatos nacionais, a Uefa decidiu cancelar uma reunião prevista para 11 de setembro.

Durante sua assembleia geral, que acontece na segunda e na terça-feira, a ECA fez um balanço das consultas realizadas aos clubes sobre o projeto.

Esta reunião foi “muito produtiva e construtiva. Seguiu meses de diálogos intensos com os clubes”, completou Agnelli.

“É importante que tenhamos mais jogos europeus. Queremos um acesso equitativo, queremos a participação de pequenos países, isso é o o que importa”, completou.

Mas, para aumentar o número de jogos das competições europeias será necessária encontrar mais datas no calendário internacional.

De acordo com várias fontes presentes na assembleia da ECA, Agnelli sugeriu reduzir o número de equipes em cada campeonato nacional.

Mas, ao ser questionado pela AFP sobre se esta é a posição da ECA, Agnelli respondeu: “Não”.


FECHAR