publicidade
23/06/19
Henry apareceu livre na pequena área para tocar no contrapé de Barbara, dando números finais ao duelo. Foto: FIFA / Divulgação
Henry apareceu livre na pequena área para tocar no contrapé de Barbara, dando números finais ao duelo. Foto: FIFA / Divulgação

Brasil busca empate, mas é eliminado pela França na prorrogação

23 / jun
Publicado por Diego Borges em Copa do Mundo às 18:49

O Brasil lutou, contou com valiosa contribuição do VAR, mas não conseguiu conter o ímpeto da seleção francesa dentro de seus domínios. Jogando em Le Havre, neste domingo (23), a equipe canarinho acabou superada por 2×1 na prorrogação, com gol adversário anotado no primeiro minuto do segundo tempo da etapa extra. Os tentos da França foram assinalados por Gauvin e Henry. Já Thaisa balançou as redes para a equipe verde e amarela.

Esta é a terceira edição seguida do torneio que o Brasil não consegue passar do primeiro mata-mata. Em 2015, também saiu nas oitavas ao ser derrotado para a Austrália, por 1×0. Em 2011, a fase de grupos partiu direto para as quartas de final e o time do País acabou saindo depois de perder nos pênaltis para os Estados Unidos por 5×3. A melhor participação da equipe em Mundiais aconteceu em 2007, quando foi vice-campeã ao perder a final para a Alemanha por 2×0.

O JOGO

O técnico Vadão escalou o Brasil com Marta, Formiga e Cristiane entre as 11 que começaram jogando. As três principais referências da seleção ficaram de fora de duelos da primeira fase em razão de lesões. Com a bola em campo, a seleção canarinho adotou uma postura mais fechada, para tentar sair nos contra-ataques. Nos minutos iniciais, sem encontrar espaços, as donas da casa passaram a investir nos cruzamentos e bolas lançadas dentro da área.

A goleira pernambucana Bárbara saiu repetidas vezes do gol para evitar as investidas das francesas. A primeira chance da equipe brasileira apareceu aos oito minutos. Marta saiu fazendo fila na defesa adversária e arriscou de fora da área, mas errou a finalização. Aos 14, foi a vez da camisa 10 deixar para Debinha escapar da marcação e chutar. A defesa francesa, porém, fez o corte. Seis minutos depois, a seleção brasileira passou por um susto. Em nova investida da França na bola aérea, Bárbara sai novamente do gol e se choca contra Gauvin. O lance acaba com bola na rede. Mas a árbitra Beaudoin anulou o gol com ajuda do VAR.

A França sentiu a anulação do gol e o Brasil passou a dominar a reta final do primeiro tempo. Aos 37, em cobrança de escanteio de Marta, Cristiane acerta bela cabeçada, mas a arqueira Bouhaddi consegue a defesa. Seis minutos depois, Debinha arranca em velocidade, deixa para a camisa 11 que solta o pé, mas a goleira da França manda para escanteio. No fim da etapa inicial, as donas da casa ainda têm oportunidade com Majri, que avança pelo lado direito do Brasil e, livre de marcação, manda pela linha de fundo.

No segundo tempo, as duas seleções voltaram sem alterações. Diferente do término da etapa anterior, as donas da casa entraram em campo com postura mais agressiva. Aproveitando os erros de marcação das brasileiras, começaram a pavimentar o caminho para o gol. Diani leva a melhor sobre Tamires, arranca em velocidade e cruza rasteiro para Gauvin. Totalmente livre, a camisa 10 da França não perdoa e manda para o fundo das redes. França 1×0 Brasil.

LEIA TAMBÉM

A seleção canarinho respondeu com bela jogada de Marta. Em cruzamento da camisa 10, Cristiane acerta a cabeçada. A goleira Bouhaddi se estica toda e faz grande defesa. A bola toca na ponta de sua luva e vai no travessão. Mas, aos 12 minutos, o Brasil passa novo susto. Bárbara sai mal do gol e não acha nada. Renard cabeceia e Formiga afasta o perigo.
Em jogada que começa nos pés da veterana de 41 anos, Letícia avançou pelo setor direito da França e cruzou na área.

Renard afastou nos pés de Thaisa que encheu o pé para deixar tudo igual na partida aos 17 min. O duelo seguiu equilibrado, com as duas equipes se revezando no protagonismo. No final do segundo tempo, o Brasil chegou a balançar as redes com a lateral Tamires, mas a arbitragem assinalou impedimento da jogadora. Já nos acéscimos, Debinha faz bela jogada e deixa para Bia dentro da área, que isola.

Na prorrogação, a insistência da França nas jogadas aéreas acabou surtindo efeito. Majri bateu falta da direita, e Henry apareceu livre na pequena área para tocar no contrapé de Barbara, dando números finais ao duelo.


FECHAR