publicidade
22/04/19
Foto: Brenda Alcântara/ JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/ JC Imagem

Torcedor e cachorro passam bem após agressão depois da final do Pernambucano

22 / abr
Publicado por Karoline Albuquerque em Náutico às 21:52

Da editoria de esportes do Jornal do Commercio – Vítimas de agressão na tarde desse domingo (21), após a partida final do Campeonato Pernambucano, o torcedor do Sport Kleberson Luiz Monteiro, de 29 anos, e o cãozinho de estimação Colher de Pau passam bem. O homem recebeu alta do Hospital da Restauração (HR), na manhã desta segunda-feira (22). Já o cachorro passou por exames em uma clínica particular no bairro da Madalena, Zona Oeste da capital, e também recebeu alta.

Os dois seguiam para casa, no bairro dos Coelhos, Centro do Recife, quando encontraram um grupo de torcedores do Náutico, na Ilha do Leite. De acordo com a polícia, pelo menos dez homens teriam agredido brutalmente Kleberson e o cachorro. Colher de Pau é bastante conhecido entre os torcedores rubro-negros e virou espécie de símbolo de sorte.

LEIA MAIS:

Com título estadual, Sport volta a disputar Copa do Nordeste

Técnico do Sport elogia Náutico: “tendem a ter sucesso na Série C”

Sport vai apresentar, nesta terça, o Balanço Financeiro 2018 ao Conselho Deliberativo

Querido pela torcida do Sport, o cãozinho foi adotado por Kleberson há cerca de sete anos, no Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa). “Até então, eu não tinha cachorro algum. Ele sempre me segue para todos os lugares que eu vou. Há dois anos, veio atrás de mim até o estádio. Desde então, passei a levá-lo junto”, conta o torcedor. No início, lembra Kleberson, o cãozinho chegou a ser barrado na entrada. “Não podia deixar ele sozinho, então vendi o meu ingresso e voltei para casa”, lembra.

MEDO

Kleberson, que está desempregado, precisou pedir dinheiro ao pai e ao tio para comprar o ingresso do jogo. À reportagem, ele contou que, apesar de frequentar os clássicos pernambucanos, nunca passou por uma situação de violência. Com escoriações e dor no corpo, ele conta que tem medo de retornar aos estádios. “Posso até voltar, mas levar Colher de Pau eu não vou mais.”


FECHAR