publicidade
11/01/19
Foto: AFP
Foto: AFP

Na França, presidente do Comitê Olímpico Japonês é acusado de corrupção

11 / jan
Publicado por Maria Lua Ribeiro em Futebol Internacional às 10:41

AFP – O presidente do Comitê Olímpico Japonês, Tsunekazu Takeda, foi acusado em dezembro, em Paris, por “corrupção ativa” em uma investigação francesa sobre a atribuição dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 – disse uma fonte judicial nesta sexta-feira (11), confirmando uma informação do jornal “Le Monde”.

LEIA MAIS:

Real Madrid visita Betis para endireitar rumo na Liga dos Campeões

Santa Cruz regulariza atletas com recurso do programa de sócios

Lateral do Sport vê Milton Cruz como figura importante na busca de objetivos

Comparado a Lucas Lima, Alisson Farias é apresentado no Sport

Takeda foi acusado em 10 de dezembro pelos juízes de instrução parisienses que, há três anos, buscam esclarecer um pagamento suspeito de 2 milhões de euros feito durante a campanha pela candidatura japonesa, em 2013. Tóquio derrotou as candidaturas de Madri e Istambul.

Lançada em maio de 2016, a investigação se concentra em dois pagamentos destinados à empresa Black Tidings, ligada a Papa Massata Diack, personagem central em vários casos de corrupção na cúpula do esporte mundial.

Atual vice-presidente do comitê de organização dos Jogos Olímpicos de 2020, Takeda já havia sido interrogado no início de 2017 por magistrados de Tóquio, a pedido da Justiça francesa.

Após a revelação dessas acusações, o Comitê Olímpico Japonês designou um painel de três juristas. O comitê de campanha foi inocentado em setembro de 2016, embora não tenham sido realizadas investigações muito profundas.

Segundo as instâncias olímpicas japonesas, a quantia suspeita correspondia a “remunerações legítimas” de um assessor, e ninguém sabia que a Black Tidings, com sede em Singapura, era ligada a Papa Massata Diack, conhecido como “PMD”.

Corrupção

Este veterano e poderoso assessor em Marketing da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) é suspeito de ter embolsado milhões de euros em subornos por meio de contratos de patrocínio, ou para favorecer as candidaturas do Rio e de Tóquio nos Jogos Olímpicos de 2016 e de 2020.

De 1999 a 2015, a IAAF foi presidida por seu pai, Lamine Diack, um influente membro do COI.


FECHAR