publicidade
02/01/19
Médicos disseram que Anderson não poderia mais jogar e goleiro trabalhou com análise de desempenho. Depois, retornou ao gramado. Foto: Davi Saboya/Jornal do Commercio
Médicos disseram que Anderson não poderia mais jogar e goleiro trabalhou com análise de desempenho. Depois, retornou ao gramado. Foto: Davi Saboya/Jornal do Commercio

Goleiro do Santa Cruz já trocou luvas por estatísticas após problema no coração

02 / jan
Publicado por Karoline Albuquerque em Notícias às 18:45

Todo mundo tem um sonho. Principalmente quando se é jovem. Mas, o goleiro Anderson, reforço do Santa Cruz, por pouco não teve que deixar o seu de lado. Com apenas 19 anos, o atleta foi informado que não poderia mais jogar por problemas no coração. Então no Palmeiras, o clube buscou médicos na Europa e o goleiro pode ser reintegrado depois de ser desenganado. Em cerca de um ano, aprendeu outras funções do futebol.

“Foi em 2017. Tinha acabado de voltar da seleção brasileira sub-20, uma semana depois teve o Campeonato Paulista que estava disputando. Estava em casa, dormindo, de boa e acordei com uma dor no peito. Fui para o hospital. Foi quando começou todo o problema”, relembrou Anderson.

LEIA MAIS:

Para Danny Morais, Santa Cruz disputará competições como favorito

Ex-Goiás, zagueiro William é mais um contratado do Santa Cruz

Atacante que disputou a Série B em 2018 é o novo reforço do Santa Cruz

O arqueiro passou muito tempo em casa. Foram nove meses parado, sem poder realizar qualquer atividade física. Para o tempo passar, o Palmeiras tomou a iniciativa de levar Anderson para trabalhar dentro do clube, para que permitisse que ele vivenciasse o dia-a-dia. O goleiro trocou as luvas pelas estatísticas e se tornou analista de desempenho.

“Até pude fazer uma viagem com o sub-11, onde fui campeão em Três Coroas, no Rio Grande do Sul. Foi muito emocionante. Nunca tinha esse experiência até então e fomos campeões. Um título muito bom essa experiência”, contou.

Contudo, Anderson voltaria ao gramado para seguir trilhando sua carreira sob as traves. “O Palmeiras buscou outro médicos na Europa, mais experientes e eles conseguiram fazer com que eu voltasse a jogar bola depois de um ano sem poder fazer atividades físicas. Pude voltar a ser reintegrado o futebol graças ao Palmeiras que me deu todo o suporte possível”, comemora o goleiro.


FECHAR