publicidade
06/12/18
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Dubeux diz que próximo presidente do Sport vai precisar da união de forças

06 / dez
Publicado por Wladmir Paulino em Notícias às 21:12

O vice-presidente executivo do Sport, Gustavo Dubeux, acredita que só um ambiente de paz pode colocar o Sport nos trilhos novamente, após o time ser rebaixado para a Série B em meio a uma grave crise financeira e política. Segundo ele, evitar uma divisão ainda maior foi o motivo de o então candidato da situação, Augusto Carreras, declinar do pleito do próximo dia 18. Ele também deixa a entender que o atual mandatário, Arnaldo Barros, sofreu uma perseguição desde que foi eleito.

“Independentemente do próximo presidente que venha a assumir, é preciso que tenha uma unidade para gerir o clube com tranquilidade. E não aconteça o que fizeram com Arnaldo (Barros) após terem perdido a eleição. Por isso que Augusto Carreras retirou a chapa, para não ter divisão. Dessa maneira, o Sport consegue voltar para a Primeira Divisão e brigar pra ser campeão da Série B”, disse.

Leia mais:

No início da temporada, Nelsinho, André e Rithely anteciparam como seria o ano do Sport

Dirigente do Sport nega pedido de antecipação de cotas da Série B 

O dirigente também reconheceu os erros cometidos pela atual gestão, embora faça a ressalva de que nunca faltou empenho ao presidente para que as coisas dessem certo. Ao mesmo tempo em que admite os problemas, também afirma ser testemunha de avanços, embora não cite nem uma coisa nem outra.

“Sou testemunha do esforço do Arnaldo Barros e de sua abnegação. É claro que a nossa gestão cometeu erros e que vão servir para o aprendizado. Mas também não podemos desconhecer os avanços que o clube teve. O rebaixamento mexeu muito com todos. Faz com que tenha uma desanimação no clube e maximize os erros. A exposição é maior com a queda. Mas o Sport é grande e vai dar a volta por cima”, disse Dubeux, em entrevista ao Jornal do Commercio.

Para ele, os erros são discutidos internamente, mas ele só deixa a entender que os motivos que levaram a tantos problemas vieram de fora. “Isso é uma coisa que internamente nós discutimos e avaliamos. Lógico que, mesmo com a crise, esperávamos estar numa situação melhor. Ocorreram coisas que a gente não esperava e culminaram nessa situação que nenhum de nós gostaria que tivesse existido”.


FECHAR