publicidade
08/11/18
Foto: Williams Aguiar/ Sport Club do Recife.
Foto: Williams Aguiar/ Sport Club do Recife.

Mateus Gonçalves sinaliza renovação com o Sport: “quero fazer história no maior do Nordeste”

08 / nov
Publicado por Maria Lua Ribeiro em Notícias às 8:07

Emprestado pelo Tijuana no México até o final do Campeonato Pernambucano de 2019, o atacante do Sport Mateus Gonçalves manifestou desejo em permanecer no Leão. O atleta disse ter recebido propostas de outros times brasileiros, mas optou pelo Sport, pois segundo ele, o Rubro-negro é um dos maiores clubes do Brasil e o maior do Nordeste.

LEIA MAIS:

Atacante do Sport diz é preciso ter cabeça boa para sair do Z4

Patrocínio da Caixa Econômica com o Sport publicado no Diário Oficial da União

Meta no Sport vai além da manutenção, afirma técnico

Sport sai de campo sem sofrer gol após oito jogos

“Estou muito feliz no Sport, e tomara que eles exerçam a opção de compra no clube mexicano, para fazer história no Leão, o maior do Nordeste. O mais importante é livrar o Sport dessa zona incômoda de uma vez”, disse em entrevista a Maciel Júnior, no programa Fórum Esportivo, para a Rádio Jornal. 

Trajetória

O atleta de 24 anos comentou sobre a sua trajetória enquanto jogador até chegar ao Rubro-negro recifense. “Comecei na base do São Paulo, depois fui para o Palmeiras e depois México, antes de vir para o Sport. Eu estava no Tijuana e o Klauss Câmara me acompanhou nas categorias de base. Quando ele estava no Fluminense e Cruzeiro, acompanhava os torneios e já me conhecia. E quando ficou sabendo do meu desejo de voltar para o Brasil, ele disse que eu encaixava no Sport. O Claudinei também já me conhecia, me trouxe, e inclusive eu já tinha recebido algumas ofertas no Brasil, mas eu optei pelo Sport, pela situação e graças a Deus as coisas estão se encaixando”, afirmou.

México

Segundo Mateus Gonçalves, seu desejo de sair do México se deu por dois motivos: violência e pouca vitrine. “Lá tem um bom futebol. Mas como tem muito sul-americano, argentino, chileno, fica um campeonato muito violento. Então o brasileiro apanha muito. Em todos os jogos eu apanhava bastante. O problema é que lá não tem muita vitrine também, e é um dos motivos por eu querer retornar para o Brasil”, explicou.

Tijuana

Ainda conforme o jogador, jogar no Tijuana foi positivo para ele, porém sua vontade era fazer seu nome no Brasil. “É um clube grande, de primeira divisão. Inclusive em 2014, teve a Libertadores com o Atlético-MG. Tem tradição no México, mas é como eu falei. A vitrine não é tão boa. Agora não tem tantos brasileiros lá. Antes tinham mais”.


FECHAR