CASO PRISCILA BELFORT

Vitor Belfort lembra desaparecimento de sua irmã, há 17 anos, e alerta para o problema: “Essa luta é nossa”

Publicado em Notas 10/01/2021 às 12:41
Vitor Belfort lembra desaparecimento de sua irmã, há 17 anos, e alerta para o problema: “Essa luta é nossa”

Vitor Belfort com a esposa, Joanna Prado, e os filhos, Victoria, Davi e Kyara - Print

O lutador Vitor Belfort publicou um vídeo junto com a esposa, Joanna Prado, e os filhos, Victoria, Davi e Kyara, lembrando o desaparecimento de sua irmã, Priscila Belfort, há 17 anos – caso que segue sem desfecho. “Nós queremos chamar você para essa luta, porque essa luta é nossa. Não podemos deixar que esses números cresçam, temos que diminuir e trazer de volta”, fala Belfort no vídeo postado no Instagram, conscientizando seus seguidores para o desaparecimento de pessoas como um problema coletivo.

Na legenda do vídeo, Vitor Belfort escreveu “Volta, Priscila” e alerta para os tráficos humano, de órgãos e sexual, além das adoções ilegais, crimes que estão associados ao desaparecimento de pessoas. “Temos que criar maneiras para que possamos diminuir esse número e acabar com a indústria do tráfico sexual, indústria do tráfico humano, adoções ilegais e tráfico de órgãos”, diz o lutador na legenda.

“Não é nossa família somente, tem milhares de famílias que passam pela mesma dor”, afirma Vitor Belfort. Joanna Prado cita dados referentes ao desaparecimento de pessoas no Brasil: são cerca de 80 mil por ano, sendo a metade delas crianças e adolescentes. Na região central do Rio de Janeiro, onde Priscila Belfort foi vista pela última vez, estima-se que, por dia, desapareçam dez pessoas.

Caso Priscila Belfort

Em janeiro de 2004, Priscila Belfort foi deixada no local de seu trabalho, na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, no Centro do Rio de Janeiro, pela mãe, Jovita Belfort. A jovem saiu para almoçar e depois nunca mais foi vista. Em julho de 2013, a polícia prendeu Leonardo Luiz Batista, mais conhecido como Léo Bicudo, suspeito de tê-la matado no Morro da Providência, na capital carioca. No entanto, a linha de investigação nunca foi comprovada.

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários