"PISADINHA"

Após pedido de música sem cunho político, Chico César responde: “Não sou seu entretenimento”

Publicado em Notas 6/01/2021 às 9:38
Após pedido de música sem cunho político, Chico César responde: “Não sou seu entretenimento”

Chico César é confirmado em festival no Agreste pernambucano. Foto: Divulgação/José de Holanda.

Nas letras de Deus me proteja, Chico César alerta: “Deus me proteja de mim e da maldade de gente boa. Da bondade da pessoa ruim. Deus me governe e guarde, ilumine e zele assim”. Há quem não perceba, porém, a beleza de uma canção que, com sutileza, traz nas suas letras um tom político. É o caso de um internauta que, no último dia 3, pediu ao cantor músicas sem cunho político e foi prontamente respondido pelo artista.

O pedido deu-se em resposta à publicação de Chico César feita no último domingo (3), no Instagram. Nela, o músico dá sequência às suas apresentações despretensiosas, feitas somente com voz e violão. A canção, desta vez, foi Pisadinha, cuja letra faz referência ao termo popularmente usado no ambiente digital. Confia abaixo:

“Safra recorde em 2020. Parabéns, Chico César. Ótimas músicas. Carinhosamente te pediria para evitar as de cunho político-ideológico. Tu és muito maior que eles todos. Tu não deves nada a eles. Eles que te devem. Tuas mãos são limpas. Não as coloque no fogo por nenhum deles”, pediu o fã.

A resposta deu-se também nas caixas de comentários: “Por favor, todas as minhas canções são de cunho político-ideológico! Não me peça um absurdo desse, não me peça para silenciar, não me peça pra morrer calado”, escreveu o músico.

Na sequência, Chico César explica que não faz canções de cunho político dedicadas à figuras específicas. Elas são, conta, um reflexo do seu próprio pensamento: “Não é por ‘eles’. É por mim, meu espírito pede isso. E está no comando. Respeite, ou saia. Não veja, não escute. Não tente controlar o vento. Não pense que a fúria da luta contra as opressões pode ser controlada. Eu sou parte dessa fúria. Não sou seu entretenimento, sou o fio da espada da história feito música no pescoço dos fascistas. E dos neutros. Não conte comigo para niná-lo. Não vim botar você pra dormir, aqui estou para acordar os dormentes”.

Compartilhe
Publicado por
Augusto Tenório

Comentários