ENTENDA A REPERCUSSÃO

Artista esculpe vagina de 33 metros na Usina de Arte, em Pernambuco; obra repercute nas redes

Artista esculpe vagina de 33 metros na Usina de Arte, em Pernambuco; obra repercute nas redes

Obra "Diva", de Juliana Notari - Foto: reprodução

Publicado em Artes 3/01/2021 às 11:55

A artista Juliana Notari publicou, nos últimos dias, uma galeria de imagens da escultura “Diva” (veja mais fotos no fim do post) finalizada por ela na Usina de Arte, localizada na Usina Santa Terezinha, município de Água Preta, Zona da Mata Sul de Pernambuco. A obra feita no solo, “em formato de vulva/ferida”, como Notari apresenta, levou 11 meses para ficar pronta e contou com o trabalho de mais de 20 homens. Mede 33 metros de altura por 16 m de largura e seis de profundidade, e é recoberta por concreto armado e resina.

“Em ‘Diva’, utilizo a arte para dialogar com questões que remetem a problematização de gênero a partir de uma perspectiva feminina aliada a uma cosmovisão que questiona a relação entre natureza e cultura na nossa sociedade ocidental falocêntrica e antropocêntrica. Atualmente, essas questões têm se tornado cada vez mais urgentes”, escreveu Juliana Notari no Instagram.

“Genitalista”

E, de fato, a obra tem suscitado problematizações quanto a questões de gênero. No Twitter, há queixa de que nem toda mulher tem vagina, como é o caso das mulheres trans; que o feminino – considerando que, no texto, a artista fala de “uma perspectiva feminina” – não deveria ser simbolizado pela vagina. Alguém comentou: “Entendo a intenção, mas ainda assim soa muito genitalista”.

A representação do órgão sexual talvez seja por ser o símbolo diretamente oposto ao falo, do falocentrismo que a artista cita no texto publicado na legenda. No entanto, ao fazer a escolha – levando em conta apenas a cisgeneridade e ignorando a transgeneridade -, a artista teria sido transfóbica (veja tuíte mais abaixo).

LEIA TAMBÉM: Entenda mais sobre o que são cisgênero e transgênero

Veja os tuítes:

Mão de obra

Fotos compartilhadas por Juliana Notari, que é uma mulher branca, mostrando homens – pelo que se vê, pelo menos, a maioria deles negra – trabalhando na obra também foram problematizadas no Twitter.

“Só achei meio estranha mesmo a mão-de-obra inteira composta por homens negros e pobres. Zero mulheres envolvidas na construção. Complicado analisar só a obra em si, ao invés do processo que a fez ser o que é. Ignorar os processos de feitura da obra deixa passar essas contradições”, uma pessoa publicou no Twitter.

Uma outra contrapôs: “Vocês falam como se houvesse mão de obra feminina disponível… e ótimo ver os os machos fazendo uma obra dessa”.

Veja os tuítes:

No Facebook e Instagram

As fotos publicadas por Juliana Notari viralizaram, e no Facebook pessoal da artista visual há muitos comentários, inclusive em outras línguas, com deboche, entre tantos outros elogiosos. Acompanhe:

https://www.facebook.com/juliana.notari/posts/10219401789651753

Na postagem que fez no Intagram, Juliana Notari tem recebido basicamente elogios. É exceção alguém que escreveu: “Obra tão feminista que precisou de uns 20 homens pra fazer”.

“Diva”, como foi batizada a escultura em solo, é resultado de uma residência artística de Juliana Notari na Usina de Arte, fruto de um projeto realizado em parceria com o Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam). A Usina de Arte é um parque artístico-botânico que ocupa uma usina desativada.

LEIA MAIS: Antiga usina de cana se transforma em usina de arte

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários