LEMBRANÇA

Artistas lembram quatro anos da morte de Domingos Montagner

Artistas lembram quatro anos da morte de Domingos Montagner

Santo, último papel na TV de Domingos Montagner, na novela "Velho Chico", em 2016 / Foto: Reprodução

Publicado em Notas 15/09/2020 às 5:31

Há exatos quatro anos falecia o ator, teatrólogo, palhaço, empresário e produtor teatral Domingos Montagner numa tragédia que comoveu doto o país.  O artista morreu aos 54 anos no Rio São Francisco durante as gravações de Velho Chico (2016). Na ocasião, o corpo do paulistano foi encontrado preso nas pedras, em Sergipe. Ele estava acompanhado da atriz Camila Pitanga quando o acidente aconteceu enquanto eles tomavam um banho de rio.

Dois filhos de Domingos Montagner seguem os passos do pai no circo comandado pela mãe, Luciana Lima

Vários artistas usaram as redes sociais nesta terça-feira (15) para lembrar a partida precoce do ator. Todas as homenagens foram repostadas no perfil oficial do Instagram de Domingos e no da Casa Domingos Montagner com a palavra “gratidão”.

Entre os artistas e amigos que se manifestaram estão o ator e professor de artes cênicas Ricardo Ferreira, o ator Nill de Pádua, o ator Luis Godoy e o artista e videomaker Nico Serrano, entre outros. “Quatro anos sem ele. Da minha geração, ele foi, é e sempre será minha maior inspiração como ator”, escreveu Nill. “Quatro anos sem uma das minhas maiores referências para a palhaçaria”, recordou Luis Godoy.

Domingos foi encontrado preso nas pedras, a 18 metros de profundidade e a 320 metros da margem, perto da Usina de Xingó, na Região de Canindé de São Francisco, que fica na divisa entre Sergipe e Alagoas. Domingos deixou a mulher, Luciana Lima, e os três filhos.

O ator tinha gravado cenas da novela na parte da manhã. Após o término da gravação, ele almoçou e, em seguida, foi tomar um banho de rio. Durante o mergulho, ele não voltou à superfície. Camila Pitanga, que estava com ele no local, avisou para a produção, que iniciou imediatamente a procura pelo ator.

Compartilhe
Publicado por
Anneliese Pires

Comentários